Atualização do PowerCenter foi “decisão interna da AT”

  • Lusa
  • 4 Julho 2017

Vítor Braz, inspetor-geral de Finanças, diz que "não há evidência" de que tenha havido orientação política na decisão de atualizar o software que terá apagado transferências de dez mil milhões.

O inspetor-geral de Finanças, Vítor Braz, afirmou hoje no parlamento que a atualização do PowerCenter foi “uma decisão interna da AT” tomada no final de 2012 e que “não há evidência” de que tenha tido orientação política.

O responsável máximo da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) esteve esta tarde a ser ouvido durante cerca de cinco horas na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa a propósito da auditoria realizada às transferências para paraísos fiscais feitas entre 2011 e 2015, que permitiram a saída de mais de dez mil milhões de euros para aqueles territórios sem qualquer tratamento pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

Respondendo ao deputado António Leitão Amaro, do PSD, Vítor Braz afirmou que “a atualização da tecnologia PowerCenter [em 2013] ocorreu na sequência de uma decisão tomada no final de 2012 da responsabilidade da subdiretora geral dos sistemas de informação da AT”, acrescentando que “as evidências recolhidas [no âmbito da auditoria] sugerem que os problemas detetados mais tarde serão todos posteriores a esta atualização”.

Quando questionado sobre se “há algum sinal de alguma orientação política da tutela à AT em 2013” no momento em que foi feita a atualização daquele ‘software’, o inspetor-geral de Finanças disse que “não há evidência” e que se tratou de “uma decisão interna da AT”.

O software PowerCenter, desenvolvido pela OpenSoft e licenciado pela Informatica, foi a solução tecnológica usada pela AT nos últimos anos para registar as transferências feitas para paraísos fiscais (as declarações modelo 38).

Pelo PS, o deputado Eurico Brilhante Dias questionou a conclusão da IGF de que é “extremamente improvável” que a falha informática que permitiu a saída de mais 10.000 milhões de euros para offshore sem a análise do Fisco tenha sido causada por mão humana.

O socialista afirmou que “a conclusão de ‘improvável’ remete para uma medição, uma probabilidade” e defendeu que “isso não se vê” no relatório da IGF, interrogando sobre “se aquilo que é extremamente improvável não é factualmente incerto”.

Na resposta, Vítor Braz garantiu que “a prova colhida foi exaustiva para chegar a esta conclusão” e que “não só não há evidência de intervenção [humana deliberada] como a causa do erro é tão complexa que dificilmente haveria uma intervenção deliberada”.

A deputada do BE Mariana Mortágua, por seu lado, perguntou se a anomalia do PowerCenter decorreu da atualização feita em 2013 e Vítor Braz respondeu que “o período temporal [do erro] coincide com a atualização do ‘software’ e que “há um forte indício de que estes eventos estão relacionados” mas que “não há uma prova plena”.

Mariana Mortágua quis ainda saber se era possível “alterar manualmente” o parâmetro que os peritos identificaram como estando na origem do não processamento correto das declarações em causa e a resposta foi dada por um outro inspetor da IGF, José Oliveira, que concluiu que “é possível”.

A pergunta seguinte da deputada foi para saber “quem, dentro da AT, tem acesso a isso” e, na resposta, Vítor Braz afirmou que “é evidente que competia à Opensoft pôr o PowerCenter a funcionar adequadamente perante a AT”, mas acrescentou que não foram feitos testes funcionais, pelo que “não foi possível obter todo o histórico para perceber como [aquele ‘software’] funcionava antes da atualização”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Atualização do PowerCenter foi “decisão interna da AT”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião