Atualização do PowerCenter foi “decisão interna da AT”

  • Lusa
  • 4 Julho 2017

Vítor Braz, inspetor-geral de Finanças, diz que "não há evidência" de que tenha havido orientação política na decisão de atualizar o software que terá apagado transferências de dez mil milhões.

O inspetor-geral de Finanças, Vítor Braz, afirmou hoje no parlamento que a atualização do PowerCenter foi “uma decisão interna da AT” tomada no final de 2012 e que “não há evidência” de que tenha tido orientação política.

O responsável máximo da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) esteve esta tarde a ser ouvido durante cerca de cinco horas na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa a propósito da auditoria realizada às transferências para paraísos fiscais feitas entre 2011 e 2015, que permitiram a saída de mais de dez mil milhões de euros para aqueles territórios sem qualquer tratamento pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

Respondendo ao deputado António Leitão Amaro, do PSD, Vítor Braz afirmou que “a atualização da tecnologia PowerCenter [em 2013] ocorreu na sequência de uma decisão tomada no final de 2012 da responsabilidade da subdiretora geral dos sistemas de informação da AT”, acrescentando que “as evidências recolhidas [no âmbito da auditoria] sugerem que os problemas detetados mais tarde serão todos posteriores a esta atualização”.

Quando questionado sobre se “há algum sinal de alguma orientação política da tutela à AT em 2013” no momento em que foi feita a atualização daquele ‘software’, o inspetor-geral de Finanças disse que “não há evidência” e que se tratou de “uma decisão interna da AT”.

O software PowerCenter, desenvolvido pela OpenSoft e licenciado pela Informatica, foi a solução tecnológica usada pela AT nos últimos anos para registar as transferências feitas para paraísos fiscais (as declarações modelo 38).

Pelo PS, o deputado Eurico Brilhante Dias questionou a conclusão da IGF de que é “extremamente improvável” que a falha informática que permitiu a saída de mais 10.000 milhões de euros para offshore sem a análise do Fisco tenha sido causada por mão humana.

O socialista afirmou que “a conclusão de ‘improvável’ remete para uma medição, uma probabilidade” e defendeu que “isso não se vê” no relatório da IGF, interrogando sobre “se aquilo que é extremamente improvável não é factualmente incerto”.

Na resposta, Vítor Braz garantiu que “a prova colhida foi exaustiva para chegar a esta conclusão” e que “não só não há evidência de intervenção [humana deliberada] como a causa do erro é tão complexa que dificilmente haveria uma intervenção deliberada”.

A deputada do BE Mariana Mortágua, por seu lado, perguntou se a anomalia do PowerCenter decorreu da atualização feita em 2013 e Vítor Braz respondeu que “o período temporal [do erro] coincide com a atualização do ‘software’ e que “há um forte indício de que estes eventos estão relacionados” mas que “não há uma prova plena”.

Mariana Mortágua quis ainda saber se era possível “alterar manualmente” o parâmetro que os peritos identificaram como estando na origem do não processamento correto das declarações em causa e a resposta foi dada por um outro inspetor da IGF, José Oliveira, que concluiu que “é possível”.

A pergunta seguinte da deputada foi para saber “quem, dentro da AT, tem acesso a isso” e, na resposta, Vítor Braz afirmou que “é evidente que competia à Opensoft pôr o PowerCenter a funcionar adequadamente perante a AT”, mas acrescentou que não foram feitos testes funcionais, pelo que “não foi possível obter todo o histórico para perceber como [aquele ‘software’] funcionava antes da atualização”.

Comentários ({{ total }})

Atualização do PowerCenter foi “decisão interna da AT”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião