Comissão de trabalhadores da Autoeuropa demite-se, negociações só no final de agosto

  • Lusa
  • 2 Agosto 2017

O pré-acordo de quinta-feira, rejeitado na sexta, segundo disse à Lusa fonte da empresa, foi aprovado por maioria na comissão de trabalhadores, mas com votos contra dos sindicatos afetos à CGTP.

A atual comissão de trabalhadores da fábrica de automóveis Autoeuropa demitiu-se na terça-feira na sequência da recusa da maioria dos funcionários do pré-acordo para aumentar horários e turnos, disse à Lusa, esta quarta-feira, Fernando Sequeira, membro daquele organismo.

A atual lista está demissionária, portanto irá terminar o seu mandato e provocar eleições. Competirá à nova comissão de trabalhadores seguir com as negociações se a empresa o entender, mas só lá muito para o final do mês porque só aí estarão todos os trabalhadores. Este mês [agosto] só estão 50%, outros 50% estão de férias, à vez. Só aí será possível marcar as eleições”, disse o representante dos funcionários da fábrica de Palmela.

Entretanto, esta quarta-feira, a administração da estrutura do grupo Volkswagen e representantes do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Ambiente do Sul (SiteSul) e da Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Elétricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal) reuniram-se, desconhecendo-se para já o resultado do encontro.

O sindicato vai manter a posição que sempre teve, de que os horários trabalho devem ser de segunda a sexta-feira e para facilitar a negociação, e disponibilizar-se para retirar o pré-aviso de greve para o dia 30 de agosto de 2017 se a empresa retirar a sua proposta de horário de segunda a sábado”, lê-se em comunicado do SiteSul, publicado após ser conhecido o resultado do referendo.

Na sexta-feira, 74,8% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram o pré-acordo alcançado entre a comissão de trabalhadores e a administração da empresa para os novos horários e turnos, mediante compensação financeira de 175 euros acima do valor previsto na legislação, tendo contado apenas com 23,4% de votos favoráveis num universo de 3.472 votantes. Por seu turno, “a administração da Volkswagen Autoeuropa está a analisar os resultados do referendo que teve lugar na semana passada e comunicará oportunamente os próximos passos deste processo”, limitou-se a dizer fonte oficial da empresa à Lusa.

O grupo Volkswagen tem justificado a necessidade dos novos horários com a produção de 200 mil unidades do novo modelo T-Roc na fábrica de Palmela, quase triplicando a produção atingida em 2016, o que levou a empresa a decidir abertura de um sexto dia de produção e à contratação de “cerca de 2.000 colaboradores, dos quais 750 são para implementar um sexto dia semanal de produção”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão de trabalhadores da Autoeuropa demite-se, negociações só no final de agosto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião