Universidade do Michigan faz “Vroom” na navegação de Internet Móvel

  • ECO
  • 31 Agosto 2017

Navegar na Internet a partir do smartphone poderá estar à altura das exigências de velocidade dos consumidores com um novo sistema que pretende encurtar tempos de carregamento de páginas web.

Uma equipa de cientistas da Universidade do Michigan e investigadores do MIT desenvolveu este mês o “Vroom”, um protótipo de software que permite acelerar os tempos de carregamento de páginas Web em dispositivos móveis, otimizando a interação entre dispositivos e servidores.

Em comunicado, Harsha Madhyastha, professor de Ciências Computacionais e Engenharia na Universidade do Michigan e um dos programadores do software, salienta as potencialidades do “Vroom” no sentido em que apresenta soluções para servidores proxy, nomeadamente nas áreas de segurança e privacidade, e para o projeto Accelerated Mobile Pages da Google, cujo sistema requer que as páginas Web sejam reescritas. “Para qualquer versão de uma página, o ‘Vroom’ melhora o processo de carregamento dessa página”, conclui.

A equipa por detrás do “Vroom” testou o sistema em 100 websites de notícias e desporto. A conclusão é uma redução nos tempos de carregamento das páginas para metade do tempo médio, entre os cinco e os dez segundos. O tempo de carregamento médio de páginas Web a partir de smartphones e tablets é de 14 segundos, com uma ligação 4G, refere o mesmo comunicado.

Por detrás do carregamento de uma página está um processo de pedido de cerca de 100 URLs (os recursos que constituem as páginas). “Quando um browser começa a carregar uma página, tudo o que sabe é o URL principal“, refere Vaspol Ruamviboonsuk, estudante de Doutoramento em Ciências Computacionais e Engenharia e outro dos programadores do “Vroom”, acrescentando que o próprio navegador tem de procurar por si todos os recursos restantes necessários para apresentar a página Web completa.

A equipa de investigadores sublinha a pertinência do “Vroom” num contexto em que a maior parte da navegação na Internet parte de equipamentos móveis como smartphones e tablets. Dados divulgados no passado mês de janeiro pelo estudo Digital in 2017: Global Overview desenvolvido pela We Are Social e pela Hootsuite, revelam que 50% do tráfego na Internet provem de telemóveis; um aumento de 30% face ao ano passado. Já os computadores fixos e portáteis perdem 20%, ocupando 45% do tráfego.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Universidade do Michigan faz “Vroom” na navegação de Internet Móvel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião