NOS: Quadros da Saúde queixam-se de “manipulação da opinião pública”

  • ECO
  • 1 Setembro 2017

O presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SMPS) diz que as pessoas que foram à China são técnicos de informática, sem qualquer poder de decisão.

Os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SMPS) estão revoltados com as notícias que têm surgido nos meios de comunicação social sobre as viagens pagas pela Nos à China. O presidente diz à TSF que há “manipulação da opinião pública”, salientando que as pessoas que foram à China são técnicos de informática, sem qualquer poder de decisão.

A central de compras do Estado para a área da saúde, através de Henrique Martins, diz que está a estudar pedir à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) que analise as sucessivas notícias que têm sido publicadas sobre viagens à China dos seus dirigentes e funcionários pagas pela Nos.

O presidente do SMPS “não percebe o que leva tantas notícias na última semana a falarem apenas dos SPMS “quando já se sabe que altos dirigentes de outras entidades públicas relevantes, de diversos ministérios, foram em viagens semelhantes”, apontando para uma “assimetria” de tratamento ou “falta de isenção” pelos media.

A SMPS fala na “manipulação da opinião pública com base em notícias que nem sempre correspondem à verdade”, passando “a ideia que tais praticas só ocorreram com colaboradores desta empresa”. E diz que estas viagens pagas pela Nos foram “visitas técnicas”, sendo que várias das pessoas referidas pelos media são técnicos de informática, sem qualquer poder de decisão.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

NOS: Quadros da Saúde queixam-se de “manipulação da opinião pública”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião