China investe 64 milhões de euros em plano de cooperação com países do BRICS

  • Lusa
  • 4 Setembro 2017

Plano visa reforçar a cooperação económica e tecnológica com os países do bloco de economias emergentes BRICS, anunciou esta segunda-feira o Presidente chinês.

A China vai destinar 500 milhões de yuan (64 milhões de euros) para um plano de cooperação económica com os BRICS. Durante a inauguração da nona cimeira dos BRICS, que reúne os líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, Xi Jinping afirmou que aquele plano visa facilitar os intercâmbios comerciais e de tecnologia entre os países emergentes.

Xi revelou ainda que a China contribuirá com quatro milhões de dólares para a construção das instalações do novo banco de desenvolvimento fundado pelos cinco países do BRICS, cujas obras arrancaram este sábado, em Xangai, a “capital” económica da China.

O Presidente chinês disse que o bloco “tem que explorar o potencial para cooperação”, lembrando que de todo o investimento feito no ano de 2016, pelos cinco países, apenas 5,7% foi entre os respetivos mercados.

“Necessitámos de explorar novas áreas e modelos para garantir um progresso sustentável e estável do mecanismo de cooperação”, disse Xi Jinping.

O bloco BRICS ganhou expressão pela primeira vez em 2001, quando o economista Jim O’Neill, da Goldman Sachs, publicou um estudo intitulado “Building Better Global Economic BRICs”, sobre as grandes economias emergentes.

O grupo reuniu-se pela primeira vez em 2009 — na altura ainda sem a África do Sul — e logo estabeleceu uma agenda focada na reforma da ordem internacional, visando maior protagonismo dos países emergentes em organizações como as Nações Unidas, o Banco Mundial ou o Fundo Monetário Internacional.

Na cimeira em Xiamen participam ainda os líderes do Egito, Guiné, México, Tajiquistão e Tailândia, a convite da China, país anfitrião.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China investe 64 milhões de euros em plano de cooperação com países do BRICS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião