Exclusivo Caso Huawei: NOS pagou viagens de altos quadros da Saúde à China

Cinco quadros da Serviços Partilhados do Ministério da Saúde viajaram para a China a convite da NOS e com as viagens pagas pela operadora, parceira da Huawei. Empresa abriu auditoria interna.

A empresa parceira da Huawei que convidou e pagou as viagens a altos cargos do Estado à China foi a NOS, apurou o ECO, e não a empresa chinesa de tecnologia. A viagem, que foi noticiada pelo Expresso (acesso pago) na edição deste sábado, envolveu 14 pessoas, das quais cinco são funcionários da empresa Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS). Os outros eram representantes dos três maiores grupos nacionais privados de saúde.

O ECO tem mais pormenores: A viagem foi na Emirates, em classe económica, e decorreu entre os dias 2 e 15 de junho de 2015. Os 14 convidados da NOS partiram de Lisboa no dia 2, chegaram ao Dubai na madrugada de 3 e aterraram em Hong Kong nesse mesmo dia, durante a tarde. Entre os convidados, estão cinco quadros da SPMS: Rui Gomes, da Direção de Sistemas de Informação; Nuno Lucas, do departamento de Comunicações, Infraestruturas, Produção e Segurança; Rute Belchior, da Direção de Compras Transversais; Ana Maurício d’Avó, responsável de Comunicação e Relações Públicas; e Artur Trindade Mimoso, vogal executivo do conselho de administração da SPMS.

Para além destes, foram ainda na viagem outros nove convidados, entre colaboradores da NOS e representantes dos grupos privados Lusíadas Saúde, Luz Saúde e José de Mello Saúde. No fim, a NOS acabou por pagar 12.516 euros pelas viagens.

O ECO contactou a NOS e fonte autorizada respondeu que a operadora está “a apurar internamente o respetivo enquadramento e todo o detalhe associado a esta visita”.

Ainda assim, confirma que “em junho de 2015, colaboradores da NOS acompanharam um grupo de representantes de entidades públicas e privadas do setor da saúde, numa visita de trabalho à Huawei na China“. A Huawei, por seu lado, já tinha garantido ao ECO durante a manhã desta segunda-feira que não tinha pago qualquer viagem a estes responsáveis da Saúde, nem sequer a tinha organizado.

Entretanto, a empresa abriu uma auditoria interna por causa do caso, avançou o Expresso, notícia entretanto confirmada pelo ECO.

Inicialmente, a viagem estava marcada para os dias 2 a 7 de junho. Contudo, os convidados pediram para prolongar este período e acabaram por ficar até dia 15, confirmou ao ECO fonte de um dos grupos privados. Não foi possível saber o motivo deste prolongamento, mas não consta qualquer outra visita integrada na viagem, portanto, restará outro motivo: férias, confidenciam outras fontes.

A parceria da NOS com a Huawei foi estabelecida a 7 de outubro do ano passado, em Shenzen, na China. Miguel Almeida, presidente executivo da operadora portuguesa, e Chris Lus, diretor-geral da Huawei Portugal, assinaram o acordo que visa o desenvolvimento de soluções tecnológicas para infraestruturas de comunicações, data-centers, vídeo e soluções empresariais.

Na edição deste fim de semana, o Expresso refere, citando fonte da SPMS, que a viagem à China se tratou de um evento para “adquirir e partilhar conhecimentos sobre os recursos, modelos e estratégias diferenciadoras utilizados no âmbito da telemedicina“. Estes responsáveis visitaram o hospital de Zheng Zhou para observar como funciona o sistema de telemedicina daquela unidade de Saúde e também a sede da Huawei, em Shenzhen, perto de Hong Kong. O ECO também contactou a SPMS sobre este assunto e ainda aguarda resposta.

Entretanto, o Ministério da Saúde já confirmou que pediu a intervenção da Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para averiguar os factos relacionados do Estado e apurar “eventuais responsabilidades”. E espera-se uma decisão do ministro Adalberto Campos Fernandes nas próximas horas ou dias em relação ao referidos altos quadros. Também a Autoridade Tributária (AT) está a investigar o caso, uma vez que Carlos Santos, quadro da AT, também foi à China a convite de uma empresa privada.

Quadros da Saúde colocam lugar à disposição

Os quadros da SPMS envolvidos nesta polémica colocaram, entretanto, os lugares à disposição, noticia o Expresso esta segunda-feira. Em comunicado, o Ministério da Saúde adiantou esta segunda-feira que os dirigentes do SPMS, “em particular” o presidente e vogal do Conselho de Administração, colocaram à disposição os respetivos lugares.

Segundo o semanário, esta segunda-feira houve várias reuniões no Ministério da Saúde para apurar o que aconteceu. O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, decidiu esperar pelos resultados da investigação da IGAS para tomar decisões finais. A investigação deverá estar concluída em setembro, adianta ainda o Expresso.

Ministério Público investiga caso Huawei

Este caso ganha relevância depois do que sucedeu com os secretários de Estado que foram ao Europeu de Futebol a expensas da Galp e acabaram por se demitir, depois da abertura de um processo do Ministério Público e de serem constituídos arguidos. Em causa está a suspeita de prática de crimes de recebimento indevido de vantagem. O próprio Governo, há cerca de um ano, aprovou um código de conduta para cargos políticos, no qual define a proibição de recebimento de presentes de valor superior a 150 euros.

Dias depois das demissões provocadas pelo chamado caso Galpgate, o Observador avançou com uma nova polémica, desta vez envolvendo a Huawei, que pagou viagens à China a vários políticos. Um deles foi Nuno Barreto, adjunto do secretário de Estado das Comunidades, que, segundo noticiou o Observador, viajou à China em janeiro deste ano, com estadia paga pela Huawei, e que já foi afastado pelo Governo. Isto porque as despesas pagas pela Huawei foram superiores a 150 euros. O Ministério Público abriu um inquérito a estas viagens.

Além de Nuno Barreto, noticiou ainda o Observador, também Paulo Vistas, presidente da Câmara de Oeiras, Sérgio Azevedo, vice-presidente da bancada parlamentar do PSD, Ângelo Pereira, vereador do PSD na Câmara de Oeiras, e Luís Newton, presidente da Junta de Freguesia da Estrela, estão envolvidos no caso Huawei.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caso Huawei: NOS pagou viagens de altos quadros da Saúde à China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião