Marcelo quer Pedrógão fora da campanha eleitoral

  • ECO
  • 5 Setembro 2017

O Presidente da República quer que os portugueses sejam esclarecidos acerca do destino dos fundos para Pedrógão Grande, e que a tragédia não seja utilizada na campanha autárquica.

Marcelo Rebelo de Sousa pediu para que a tragédia de Pedrógão Grande não seja arma de arremesso político em vésperas de autárquicas. “São só três semanas”, lembrou o Presidente da República, num momento em que se instala a polémica sobre o destino dos donativos para os fundos de solidariedade a favor dos concelhos afetados pelos incêndios da zona centro do país, no passado mês de junho.

Marcelo sublinha a necessidade de esclarecer os portugueses que só uma parte dos fundos é gerida pelo Governo e que o restante está a cargo de entidades “escolhidas pela sociedade civil”. Em caso de lapsos, Marcelo refere que devem ser corrigidos.

Por fim, apela para que a tragédia trazida pelos incêndios não seja uma forma de aproveitamento político em contexto de eleições autárquicas. “Pediria que houvesse um pacto a pensar que as eleições são no dia 1 de outubro, e a questão de Pedrógão, de Castanheira de Pera, de Figueiró dos Vinhos, e outros município vizinhos continua depois da campanha eleitoral”, refere.

Em resposta às declarações de Teresa Morais em conferência de imprensa, o Governo entretanto emitiu um comunicado onde faz o balanço do REVITA. Trata-se de um fundo social onde são depositados e geridos os donativos enviados para a recuperação dos concelhos de Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.

Segundo o comunicado do Ministério do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, o fundo é gerido por um Conselho de Gestão composto por um representante do Governo, um representante das autarquias afetadas e um representante das instituições particulares de solidariedade social e associações humanitárias de bombeiros. O mesmo documento confere que o fundo já juntou mais de duas dezenas de entidades, e que já recolheu cerca de dois milhões de euros em donativos monetários.

Também esta terça-feira, o presidente de Pedrógão Grande anunciou que já foram reabilitadas quatro casas destruídas pelos incêndios no concelho. Existem ainda dez obras adjudicadas, 99 processos entregues a instituições, 17 em avaliação, 21 em consulta de preço e 43 ao abrigo do fundo REVITA. O autarca anunciara no final do mês passado que estaria a trabalhar com a Fundação EDP no sentido de reforçar uma equipa no município com engenheiros, arquitetos e desenhadores, de forma a impulsionar a reabilitação das casas afetadas pelos incêndios, segundo a agência Lusa.

Comentários ({{ total }})

Marcelo quer Pedrógão fora da campanha eleitoral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião