Não há duas sem três: PSI-20 volta a deslizar. EDP pesa

  • Ana Batalha Oliveira
  • 6 Setembro 2017

Num dia de ganhos na Europa, a bolsa nacional perdeu valor. A EDP foi a cotada que mais pesou, levando o índice para recuar pela terceira sessão consecutiva.

A bolsa portuguesa fechou em queda pela terceira sessão consecutiva. Manteve-se no vermelho, apesar da recuperação de maior parte das congéneres europeias, penalizada pela queda do setor energético. A influenciar negativamente a negociação na praça nacional esteve essencialmente a EDP.

O principal índice português fechou a cotar nos 5.129,71 pontos, uma quebra de 0,12%. Destoou das bolsas europeias, que retomaram timidamente os ganhos com uma subida de 0,06% no Stoxx 600. O DAX, da Alemanha, foi o que mais valorizou, registando um ganho de 0,75%.

A EDP marcou a sessão pela negativa. Acentuou a tendência da abertura, caindo 1,01% para os 3,22 euros, num dia de quedas para todas as empresas do setor. A EDP Renováveis cedeu 0,04%, enquanto a Galp Energia perdeu 0,63% para 14,10 euros, apesar da subida dos preços do petróleo à boleia do furacão Irma.

Nota negativa também para o BCP. O banco liderado por Nuno Amado terminou o dia nos mercados com nova desvalorização, apesar de ter arrancado no verde. O banco caiu 0,14% para os 21,48 cêntimos.

A travar maiores perdas estiveram os títulos do setor papeleiro. A Navigator e a Altri registaram subidas de 1,99% para os 3,63 euros e de 1,48% para os 3,70 euros, respetivamente.

A maior subida da sessão coube, contudo, à Pharol, que fechou a sessão a subir 4,01% para os 0,311 euros por ação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não há duas sem três: PSI-20 volta a deslizar. EDP pesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião