Crescimento da banca angolana em mínimos de 2012

  • Lusa
  • 12 Setembro 2017

A consultora britânica BMI espera, contudo, que a recuperação comece em 2018. A falta de liquidez é uma dos fatores que mais afeta negativamente os bancos de Angola.

A taxa de crescimento dos bancos em Angola abrandou para 2,7% nos 12 meses terminados em julho, o valor mais baixo desde pelo menos 2012, quando a consultora BMI Research começou a recolher dados.

Numa nota sobre o setor bancário em Angola, enviada esta terça-feira aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas dizem que os banco angolanos vão recuperar da crise em 2018, mas o clima de baixo crescimento económico e constrangimentos de liquidez vai manter-se, expondo a vulnerabilidade da banca ao setor petrolífero.

"Apesar de uma melhoria nos preços do petróleo e uma recuperação geral na economia angolana em 2017, o setor bancário do país tem, ainda assim, lutado para manter níveis positivos de crescimento, com o total de ativos a aumentar apenas 2,7% em julho, a taxa mais baixa de que temos registo”

Consultora BMI

“Apesar de esperarmos que os próximos dados mostrem que esta tendência continua durante boa parte do segundo semestre deste ano, esperamos uma perspetiva mais positiva para o setor petrolífero em 2018, o que vai facilitar uma recuperação suave em 2018, com os ativos a crescerem 9,8% no final do próximo ano, segundo a nossa previsão”, acrescentam os analistas.

Os bancos comerciais em Angola vão continuar em dificuldades devido ao clima de baixo crescimento económico e constrangimentos de liquidez, mas o aumento da produção de petróleo e a reestruturação de alguns bancos estatais vão possibilitar alguma recuperação em 2018″, diz esta consultora britânica.

Apesar disso, “o setor permanece vulnerável dada a grande dependência da indústria petrolífera em fase descendente“. As dificuldades da banca em Angola manifestam-se “na forma de pouca procura de crédito, fraca qualidade dos ativos e uma falta de liquidez de dólares nos próximos trimestres”, acrescentam os analistas.

A forte exposição ao setor da indústria petrolífera, que desde 2014 enfrenta uma crise devido à descida dos preços, levou os bancos a “pedirem um resgate financeiro ao Estado para injetar liquidez no sistema financeiro”. A agência de notação financeira Fitch alertou em março para uma falta de liquidez em vários bancos angolanos, incluindo o estatal Banco de Poupança e Crédito.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crescimento da banca angolana em mínimos de 2012

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião