Yupido só tem 35.000 euros em cash. O resto são plataformas

  • ECO
  • 12 Setembro 2017

Afinal, a Yupido só terá 35.000 euros de capital em dinheiro. Tudo o resto, que perfaz 28,8 mil milhões de euros, é resultado de duas plataformas: um software de gestão e uma plataforma de media.

Afinal, a Yupido só tem 35.000 euros em dinheiro — tudo o resto é software ou plataformas. Dos 28,8 mil milhões de euros de capital registados pela empresa, um valor que lhe dá o estatuto de empresa com o maior capital social em Portugal, nem mesmo os 243 milhões de euros iniciais eram dinheiro a sério. Segundo o Observador, resultou da avaliação de outro “ativo intangível”, um “software de gestão para empresas que funciona em multiplataforma”, de acordo com o relatório do revisor oficial de contas que avaliou esse ativo.

O único capital em cash da empresa, de acordo com o jornal, foram 35.000 euros: 10.000 euros avançados por Cláudia Alves (vice-chairman), outros 10.000 euros avançados por Torcato Jorge (chairman), e 15.000 euros avançados por Filipe Besugo (diretor criativo). Nesta primeira fase da Yupido, quando foi constituída a sociedade em 2015, só dois dos fundadores entraram ainda com o tal ativo intangível: 70,86% do software era detido por Cláudia Alves e 29,13% era propriedade de Torcato Jorge.

No início de 2016, segundo o relatório de contas do ano passado a que o ECO teve acesso, os 243 milhões de euros estavam inscritos na rubrica de depósitos à ordem. Há pelo menos quatro entidades a debruçarem-se sobre a Yupido: o Ministério Público, a CMVM, a Polícia Judiciária e Ordem dos Revisores Oficiais de Contas. Esta última estará a analisar os relatórios elaborados por António Alves da Silva, o ROC que assinou os dois relatórios que deram à Yupido uma avaliação multimilionária.

Como o ECO avançou em exclusivo, a Yupido viria a realizar, no início de 2016, um aumento de capital superior a 11.000%, que colocava a companhia com um capital social de 28,8 mil milhões de euros, duas vezes a Galp Energia e valor de mercado. Esse aumento resultou da incorporação de outro ativo intangível, uma “plataforma digital inovadora” de media, como apurou o ECO em documentos ligados à empresa. Essa plataforma, por sua vez, era detida em 69% por Cláudia Alves, 30% por Torcato Jorge e 1% por Filipe Besugo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Yupido só tem 35.000 euros em cash. O resto são plataformas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião