Exclusivo Descobrimos porque é que a Yupido “vale” 29 mil milhões de euros

O ECO foi à conservatória consultar a avaliação do Revisor Oficial de Contas ao insólito aumento de capital da Yupido e descobriu que o ativo intangível é uma "plataforma digital inovadora de media".

O “ativo intangível” de 29 mil milhões da Yupido é… uma “plataforma digital inovadora”Paula Nunes / ECO

Por esta altura, já deve ter ouvido falar da Yupido. Trata-se de uma empresa portuguesa que está despertar atenção por ter um capital social avaliado em 29 mil milhões de euros, o correspondente a duas vezes o valor de mercado da Galp. Já tínhamos avançado que este valor surge após um aumento de capital realizado no ano passado. Agora, o ECO revela que ativo é esse: trata-se de uma “plataforma digital inovadora” de media.

O ECO teve acesso a um conjunto de documentos ligados a esta sociedade que está na boca do mundo. Nomeadamente, o relatório emitido pelo revisor oficial de contas, António Alves da Silva, que avaliou o “ativo intangível” multimilionário da Yupido. Nele, o revisor assume a “responsabilidade” e a “razoabilidade” deste valor insólito.

Mas, afinal, que ativo é este que a Yupido usou para realizar este aumento de capital? Segundo o relatório, trata-se de uma plataforma “de armazenamento, proteção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media” e que se destaca “pelos algoritmos que a constituem”.

"Em concreto, [este ativo intangível] materializa-se numa plataforma digital inovadora, de armazenamento, proteção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media. Tal plataforma destaca-se pelos algoritmos que a constituem.”

António Alves da Silva

Revisor oficial de contas que aprovou o aumento de capital da Yupido

Lê-se ainda no relatório: “A nova tecnologia que foi objeto da minha avaliação visa responder às crescentes necessidades do mercado relativas ao consumo de conteúdos de media, designadamente as decorrentes das exigências motivadas pelas novas formas e acesso aos conteúdos, seja pelos dispositivos móveis (smartphones, tablets e PC portáteis [sic]), ou outros dispositivos, designadamente fixos, que possam ser conectados à internet.”

"É da minha responsabilidade a razoabilidade de avaliação do direito intangível em causa e a declaração de que o valor encontrado é suficiente para a realização do aumento de capital social pretendido. (…) Entendo que o trabalho efetuado proporciona uma base aceitável para a emissão da minha declaração.”

António Alves da Silva

Revisor oficial de contas que aprovou o aumento de capital da Yupido

É este o tão afamado “ativo intangível” da Yupido e é detido pelos subscritores do aumento de capital. Nomeadamente Cláudia Alves, diretora de operações, com mais de 19,9 mil milhões de euros; Torcato André Jorge, diretor de marketing, com mais de 8,3 mil milhões de euros em capital, e Filipe Besugo, com uns modestos 275,9 milhões de euros de capital em espécie respeitante à plataforma.

Os acionistas e os rácios de capital intangível respeitantes à plataforma

Avaliação é “conservadora”. Valor da plataforma será ainda maior

Todos os aumentos de capital em espécie têm de ser avaliados por um revisor oficial de contas, que é obrigado a redigir o relatório agora revelado pelo ECO. É por isso que o mistério fica parcialmente revelado através da leitura do documento. Mas se pensa que 29 mil milhões é um valor exagerado, engane-se.

Segundo o revisor, “foi considerada uma taxa de penetração no mercado (quota de mercado) conservadora”. Isso leva António Alves da Silva a garantir que “o potencial de valorização do referido software poderá ascender a valores ainda mais significativos” — isto é, ainda mais do que os 29 mil milhões de euros em causa.

O potencial de valorização do referido software poderá ascender a valores ainda mais significativos.

António Alves da Silva

Revisor oficial de contas que aprovou o aumento de capital da Yupido

Como o ECO já tinha avançado esta quarta-feira, a empresa nunca teve vendas desde que foi criada em 2015. Além disso, também não tem funcionários. Apresentou prejuízos superiores a 11.000 euros em 2015 e mais de 21.000 euros em 2016.

Vídeo: Conheça a Yupido, a empresa mistério

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descobrimos porque é que a Yupido “vale” 29 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião