Bruxelas apressa Volkswagen a reparar veículos do escândalo

  • Lusa
  • 7 Setembro 2017

A Comissão Europeia dá o prazo de um mês à Volkswagen para apresentar um relatório "do que foi feito e ainda falta fazer" na reparação dos veículos envolvidos no escândalo de emissões.

As autoridades de defesa do consumidor e a Comissão Europeia instaram esta quinta-feira a Volkswagen a concluir “rapidamente” a reparação de todos os veículos afetados pelo escândalo da manipulação das emissões poluentes, que ficou conhecido como ‘dieselgate’.

Em comunicado, a Comissão Europeia esclarece que foi solicitado à fabricante automóvel alemã que responda ao seu pedido no prazo de um mês e que dê início a um diálogo a nível europeu. “Caso a Volkswagen não reaja a esta posição comum ou não se chegue a um acordo, competirá a cada Estado-Membro decidir quais a próximas medidas a tomar”, lê-se no documento, onde a Comissão explica que as autoridades podem tomar medidas adequadas às suas circunstâncias locais, “incluindo medidas coercivas, se necessário”.

Esta carta faz parte de uma ação coordenada das autoridades de defesa do consumidor da União Europeia (UE) com vista a garantir que o grupo Volkswagen respeita o direito dos consumidores na sequência do escândalo e é proactivo relativamente aos consumidores afetados. “As autoridades de defesa do consumidor da UE continuam a receber indicações de que muitos dos veículos afetados ainda não foram reparados”, refere.

No documento, a Comissão Europeia lembra que após conversações com a Comissária Věra Jourová, em 2016, a Volkswagen comprometeu-se a reparar todos os veículos afetados até ao outono de 2017. As autoridades de defesa do consumidor da UE, sob a liderança da Autoridade dos Consumidores e dos Mercados (ACM) dos Países Baixos, solicitam assim à Volkswagen que confirme, no prazo de um mês, que este plano será cumprido e exigem “uma transparência total no que respeita a este processo, incluindo uma descrição detalhada do que foi feito e do que ainda falta fazer”. “A Volkswagen deve garantir a resolução de eventuais problemas surgidos após a reparação, uma vez que a Comissão solicitou a plena conformidade com as regras de homologação para todos os veículos Volkswagen afetados”, acrescenta.

"Os consumidores da UE podem ter a certeza de que as autoridades de defesa do consumidor nos Estados-Membros e a Comissão Europeia estão do seu lado e de que não serão aceites meias-medidas.”

Věra Jourová

Comissão Europeia

Sobre este assunto, a comissária Věra Jourová, congratula-se por ver que as autoridades de defesa do consumidor estão unidas face à Volkswagen e insistem no respeito das exigências. “Através de uma atuação comum, as autoridades de defesa do consumidor podem garantir que o direito dos consumidores da UE seja respeitado em toda a União. Este aspeto é particularmente relevante quando se trata de abordar problemas que afetam toda a Europa, como é o caso Volkswagen, que afeta mais de oito milhões de consumidores em diferentes Estados-Membros”, disse. “Com a posição conjunta de hoje, os consumidores da UE podem ter a certeza de que as autoridades de defesa do consumidor nos Estados-Membros e a Comissão Europeia estão do seu lado e de que não serão aceites meias-medidas”, acrescentou.

As autoridades responsáveis pela cooperação no domínio da defesa do consumidor esperam receber informações da Volkswagen, nomeadamente relativas à transparência e comunicação com os consumidores, sobretudo no que diz respeito aos motivos precisos e claros pelos quais o veículo tem de ser reparado, em que consiste a reparação e o que têm de fazer para que os seus veículos sejam reparados.

A Volkswagen deve ainda informar os consumidores afetados sobre o que acontecerá se não tiverem os seus veículos reparados, quando e em que Estados-Membros os veículos que não tenham sido reparados deixarão de poder circular, bem como informação aos proprietários de veículos em segunda mão e consumidores que não são clientes de concessionários Volkswagen.

As autoridades nacionais de defesa do consumidor da UE solicitam também à Volkswagen que confirme o prazo em que todos os veículos estarão reparados, pois caso o processo de reparação se prolongue para além do outono de 2017, a Volkswagen deve comprometer-se a prorrogar o prazo de reparação gratuita do software enquanto for necessário, a fim de respeitar a sua obrigação de assegurar que todos os veículos estão em conformidade com o direito da UE em matéria de direito dos consumidores.

Uma investigação nos EUA descobriu em 2015 que a Volkswagen manipulou o dispositivo das emissões poluentes em veículos a gasóleo. A empresa alemã admitiu a fraude, que envolveu 11 milhões de carros vendidos em todo o mundo. Em Portugal, a Deco Proteste queixou-se em abril de que se verifica um aumento das emissões poluentes de carros da Volkswagen testados depois da intervenção obrigatória da marca alemã para reparar a fraude. “Testámos mais dois carros submetidos à intervenção obrigatória decorrente da fraude cometida pela Volkswagen. A conclusão repete-se: as emissões aumentam. Não há qualquer correção ou diminuição”, denunciou a associação de defesa dos consumidores na ocasião.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas apressa Volkswagen a reparar veículos do escândalo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião