Acordo entre democratas e republicanos acalma Wall Street

  • Juliana Nogueira Santos
  • 7 Setembro 2017

Democratas e republicanos concordam acerca do teto da dívida. Decisão acalma os mercados norte-americanos, que se preparam para a chegada do furacão Irma.

O Governo norte-americano estava à beira de uma paralisação total, caso não se chegasse a um acordo em relação à divida. Esta quarta-feira, Donald Trump informou os jornalistas que esse acordo já tinha sido fechado entre os dois partidos, com o teto da dívida a ser aumentado até ao próximo dia 15 de dezembro. Com a incerteza em relação à estabilidade governativa a dispersar-se, os mercados norte-americanos iniciaram este dia de quinta-feira acima da linha de água.

Esta expansão do teto da dívida incluirá também uma verba para apoiar as vítimas do furacão Harvey, estando também já previsto um pacote de financiamento para os efeitos do furacão Irma — que os especialistas apontam para que seja ainda mais forte que o primeiro. O Irma já atingiu as Caraíbas, deixando a ilha de Barbuda totalmente devastada e 95% da parte francesa de Saint-Martin, nas Antilhas Pequenas, destruída.

Assim, estes danos estão a travar a confiança dos investidores, com os três principais índices norte-americanos a registarem ganhos ligeiros no início da sessão. O industrial Dow Jones avançava 0,06% para 21.820,38 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq acumulava ganhos de 0,15%, atingindo os 6.402,93 pontos. O S&P 500 subia 0,10% para os 2.468,06 pontos.

“À medida que o furacão avança, os investidores estão a tentar perceber os danos que este vai causar”, afirma à Reuters Andre Bakhos, da Janlyn Capital. “Há mais implicações a longo prazo do que as que temos até agora.” O Irma poderá tornar-se o segundo maior furacão a chegar ao território norte-americano, semanas depois de o Harvey ter causado cerca de 60 mortos e ter destruído património no valor de 180 mil milhões de dólares no Texas e no Louisiana.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo entre democratas e republicanos acalma Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião