Presidente do IGCP diz que S&P não chega. Falta a Moody’s

Cristina Casalinho, em declarações ao jornal Público, afirma que “para a entrada nos índices de governos, é necessário que pelo menos duas agências de rating tenham Portugal em investment grade”.

Cristina Casalinho, presidente do instituto que gere a divida pública.Paula Nunes / ECO

A agência de notação financeira Standard & Poor’s anunciou na sexta-feira que a dívida portuguesa subiu de categoria, deixando de ser “lixo” e passando a ter uma notação de ‘BBB-‘, com um outlook “estável”.

A notícia foi bem recebida em Portugal já que além da DBRS, o país passa a contar com mais uma nota de ‘investment grade‘ por parte de uma grande agência de notação, o que lhe permite continuar a beneficiar dos programas de compras do BCE.

Além disso, ter uma uma boa classificação de uma das três maiores agências — S&P, Moody’s ou Fitch — coloca Portugal de novo no radar de investidores que estatutariamente só podem comprar dívida soberana com classificação acima de “lixo”.

Foi isso mesmo que disse este sábado Mário Centeno: “Alguns investidores necessitavam desta classificação para poderem transacionar dívida” nacional e “o facto de termos um conjunto de fontes de financiamento mais alargado, mais investidores interessados em financiar a dívida portuguesa, em transacionar dívida pública portuguesa, permitirá uma redução do custo de financiamento”.

Já a presidente do IGCP, o instituto que gere a dívida pública em Portugal, tem uma postura mais cautelosa, alertando que a decisão da S&P só terá impacto significativo no custo do financiamento da República quando for acompanhada por outra agência de classificação de dívida, de preferência a Moody’s, que ainda mantém Portugal no “lixo”.

Para a entrada nos índices de governos é necessário que pelo menos duas agências de rating tenham Portugal em ‘investment grade’ e normalmente as que contam são a S&P e a Moody’s. Vamos ter de esperar pela decisão de ambas”, explicou Cristina Casalinho em declarações ao jornal Público [acesso concionado].

“Com a entrada nos índices de obrigações de governos europeus, os fundos de gestão passiva, que neste momento não compram obrigações do tesouro (OT), passam a adquiri-las [de forma automática]. Esta alteração estrutural da base de investidores poderá, acreditamos, potencializar a continuação do esforço de alisamento do perfil de reembolsos e alongamento de duração sem impacto no custo médio do financiamento”, afirmou Casalinho.

A presidente do IGCP garante ainda que Portugal já não vai mudar a estratégia para emissão de dívida para este ano, “na medida em que apenas temos mais dois meses efetivos de mercado para executar estratégia de financiamento, dificilmente alguma decisão de uma agência de rating pode permitir alterar a execução do programa deste ano”.

Recorda que está prevista ainda para 2017 uma emissão de obrigações do Tesouro de mais de 3 mil milhões de euros, com o objetivo de manter o mercado líquido e permitir que o BCE ainda tenha ativos para comprar no seu programa de ‘quantitative easing’.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do IGCP diz que S&P não chega. Falta a Moody’s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião