Em atualização Novo sismo no México. Número de mortos já vai em 248

  • ECO e Lusa
  • 20 Setembro 2017

O México foi abalado por um sismo com intensidade de 7.1 na escala de Richter nesta terça-feira ao início da tarde. As autoridades mexicanas estimam que haja 248 vítimas mortais.

O México foi abalado por um novo sismo de elevada intensidade. O terramoto que atingiu o país em vários estados com uma magnitude de 7.1 na escala de Richter, já fez 248 vítimas mortais, avança a Reuters. Vários edifícios colapsaram, incluindo na capital, densamente povoada, forçando milhares de pessoas a ficar na rua. O pânico espalhou-se. O Presidente do México ativou o estado de emergência do país.

O balanço das autoridades estatais ao princípio desta manhã de quarta-feira dava conta de 248 mortos, entre os quais 72 mortes ocorreram no estado de Morelos, 43 em Puebla, 117 na cidade do México. Estes números já foram várias vezes revistos em alta, à medida que as equipas de socorro fazem buscas nos escombros de vários edifícios que ruíram devido ao sismo.

Pessoas removem escombros de um edifício que ruiu na sequência do sismo no bairro de Condesa, na Cidade do México. Alejandro Cegarra/Bloomberg

Na rede social Twitter, Enrique Peña Nieto disse ainda que convocou o Comité Nacional de Emergências, para coordenar todas as ações de ajuda, e que todos os hospitais que ficaram danificados com o sismo estão a ser evacuados. O “PlanMX” permite que as autoridades acelerem a resposta de emergência em situações de maior gravidade.

O presidente da câmara da Cidade do México, Miguel Angel Mancera, disse que pelo menos morreram 30 pessoas na capital, na sequência do violento abalo que fez ruir 44 edifícios. Várias pessoas ficaram presas no interior dos edifícios que colapsaram. Entretanto, está a ser organizado um mapa interativo com a distribuição dos edifícios que ruíram.

A cidade do México é uma das mais populosas do mundo, com mais de 20 milhões de habitantes, se for tida em conta a área circundante.

O Presidente mexicano informou ainda nas redes sociais que, à partida, parecem não ter havido danos estruturais significativos e apela a todos cujas casas resistiram ao sismo para lá permanecerem, evitando as ruas para facilitar os trabalhos de salvamento.

O pesadelo regressa 32 anos depois

Este abalo que teve o seu epicentro a 12 quilómetros a sudeste de Axochiapan, no estado central de Morelos, a uma profundidade de 57 quilómetros foi, segundo o Serviço Nacional de Sismologia (SSN), registado às 13h14 locais.

O coordenador da proteção civil do México, Luis Felipe Puente, escreveu na rede social Twitter que milhares de pessoas fugiram de edifícios de escritórios ao longo da avenida central Reforma à medida que os alarmes disparavam e o trânsito parou junto monumento do Anjo da Independência.

O fenómeno provocou danos graves em edifícios que ficaram com as fachadas destruídas e as ruas preenchidas com destroços, segundo agências internacionais. Segundo a EFE, o sismo provocou também cortes na eletricidade e nos serviços telefónicos, não tendo sido registadas vítimas até ao momento.

No estado central de Puebla foi registada a queda das torres da Igreja de Cholula. Em Morelos também há registo de danos e o governador, Graco Ramirez, anunciou a ativação de serviços de emergência. Este sismo acontece no dia em que se completam 32 anos desde que um poderoso terramoto deixou milhares de mortes na Cidade do México.

Os cidadãos saíram à rua, duas horas antes do sismo de hoje para um simulacro que marcava esse terramoto de 1985.

Autoridades portuguesas enviam condolências

Tanto o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, como o Governo português já enviaram condolências ao Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, pela ocorrência de mais um sismo.

“Já apresentámos as nossas condolências ao povo mexicano e ao Presidente da República Federativa do México por mais esta catástrofe natural. Estamos perante uma catástrofe natural que entristece todos”, declarou António Costa, no final de uma reunião de chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Nova Iorque, na sede da missão do Brasil nas Nações Unidas, citado pela Lusa.

“Os meus pensamentos estão com as vítimas, os seus familiares e todos aqueles que foram afetados por este sismo”, afirma Marcelo Rebelo de Sousa na mensagem enviada a Enrique Peña Nieto e disponibilizada no site da Presidência da República Portuguesa.

O embaixador português no México disse à Lusa que não há, “até agora”, notícia de portugueses entre as vítimas do sismo de magnitude 7,1 registado naquele país, que causou “imensos estragos”. O abalo provocou “imensos estragos, mas até agora não há notícia de vítimas portuguesas”, adiantou à Lusa, por mensagem, o embaixador Jorge Roza de Oliveira.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo sismo no México. Número de mortos já vai em 248

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião