Relatório sobre Tancos foi “fabricado” com “objetivos políticos”, diz Azeredo Lopes

  • Lusa
  • 24 Setembro 2017

O ministro da Defesa diz que "é importante saber quem foi, com que motivação foi fabricado esse documento, falsamente atribuído aos serviços de informações".

O ministro da Defesa admitiu que o noticiado relatório dos serviços de informações militares sobre o furto de armamento da base de Tancos tenha sido fabricado e que possam existir “objetivos políticos” na sua divulgação.

“Hoje, sabemos que não há nenhum relatório que tenha sido produzido pelos serviços de informações, quaisquer que eles sejam. E é importante saber quem foi, com que motivação foi fabricado esse documento, falsamente atribuído aos serviços de informações”, afirmou à Lusa José Azeredo Lopes, um dia depois de o relatório ter sido noticiado pelo semanário Expresso.

O ministro considera ainda “muito peculiar” como “é que aparentemente o PSD parecia conhecer este documento falsamente apresentado como sendo das ‘secretas’” e não exclui que existam objetivos políticos na sua divulgação.

Questionado pela Lusa sobre se tem suspeitas, o ministro da Defesa disse recusar “lançar insinuações”, “ao contrário do que tem feito a oposição”.

Hoje, sabemos que não há nenhum relatório que tenha sido produzido pelos serviços de informações, quaisquer que eles sejam. E é importante saber quem foi, com que motivação foi fabricado esse documento, falsamente atribuído aos serviços de informações.

Azeredo Lopes

Ministro da Defesa

“É importante saber de quem é a autoria do documento, com que intenção foi elaborado e com que objetivos, aparentemente políticos, foi divulgado como sendo das ‘secretas’”, afirmou o ministro, depois de ter sido criticado pelos líderes dos partidos da oposição, Pedro Passos Coelho, do PSD, e Assunção Cristas, do CDS-PP, durante o fim de semana.

Após o primeiro-ministro, António Costa, ter dito, no sábado, que o relatório com críticas ao Governo não é de qualquer entidade oficial, e de “ser claro que cabe às autoridades judiciárias” a investigação sobre o furto das armas, “só por má-fé” pode continuar a dizer-se que “o ministro não consegue saber o que se passou em Tancos”, concluiu.

“Como cidadão e como ministro da Defesa”, Azeredo Lopes disse, por duas vezes nas declarações à Lusa, que “é importante saber quem, com que motivação, fabricou um documento apresentando-o falsamente como sendo das ‘secretas’”.

Quanto ao furto de armamento do paiol da base de Tancos, o ministro disse ser importante que os cidadãos saibam que “o que havia para fazer, do ponto de vista do Governo, para evitar, tanto quanto possível, ocorrências de situações do género está a ser feito ou já foi feito”.

E acrescentou que as investigações seguem o seu curso, tendo em conta a separação de poderes, sendo da responsabilidade das autoridades judiciárias.

O semanário Expresso divulgou no sábado um relatório, que atribuiu aos serviços de informações militares, com cenários “muito prováveis” de roubo de armamento em Tancos e com duras críticas à atuação do ministro da Defesa Nacional, na sequência do caso conhecido em 29 de junho.

O primeiro-ministro reiterou no sábado à noite desconhecer o relatório noticiado pelo Expresso sobre o furto de armas em Tancos, sublinhando que o documento não pertence a “nenhum organismo oficial” do Estado.

O Estado-Maior-General das Forças Armadas já “desmentiu a autenticidade desse documento, tal como o secretário-geral dos Serviços de Informações, disse António Costa.

“Receio muito que estejamos a falar sobre algo fabricado e não sobre um documento autêntico. Um documento autêntico já sabemos que não é”, acrescentou António Costa, à margem de uma ação da campanha eleitoral do PS no Algarve.

Numa nota divulgada posteriormente na sua página da Internet, o Expresso reiterou que “o documento existe e é verdadeiro” e que “foi elaborado, tal como se escreveu, para conhecimento da Unidade Nacional de Contra Terrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária e do Serviço de Informações de Segurança (SIS)”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Relatório sobre Tancos foi “fabricado” com “objetivos políticos”, diz Azeredo Lopes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião