Défice recua 1.901 milhões de euros até agosto com a economia a ajudar

  • Margarida Peixoto
  • 25 Setembro 2017

Na primeira metade de 2017, a execução orçamental foi pressionada pelo diferente perfil de pagamento dos reembolsos de IRS, face a 2016. Agora melhora muito, mas o ritmo vai abrandar.

Mário Centeno, ministro das Finanças, tem demonstrado confiança no cumprimento da meta do défice de 1,5% do PIB.Paula Nunes / ECO

O défice orçamental no período de janeiro a agosto recuou 1.901 milhões de euros, quando comparado com os mesmos oito meses de 2016. O resultado foi revelado esta segunda-feira pelo Ministério das Finanças, em antecipação à publicação do Boletim de Execução orçamental, da Direção-geral do Orçamento, que será publicado esta tarde.

De acordo com o Governo, o défice até agosto foi de 2.034 milhões de euros, um valor abaixo do que tinha sido registado até julho (3.763 milhões de euros). Para o resultado agora revelado contribuiu o aumento de 4,3% da receita e um crescimento da despesa de 0,4%. As Finanças adiantam ainda que o saldo primário engordou 2.087 milhões de euros, atingindo mais de 3,7 mil milhões.

A continuação desta tendência de melhoria dá confiança no alcance dos objetivos orçamentais definidos para 2017 e permitirá acomodar o impacto de fatores que se traduzirão num abrandamento do ritmo de redução do défice no quarto trimestre.

Ministério das Finanças

Fonte oficial

Sobre a evolução da receita, o Executivo destaca a coleta fiscal do Estado, que está a crescer 6%, o dobro do ritmo esperado no Orçamento do Estado para este ano. Esta é a evolução dos principais impostos:

  • IVA: cresce 7,2%
  • IRC: sobe 24,7%
  • Retenções na fonte do IRS: aumentam 4,2%
  • Contribuições para a Segurança Social crescem 6,2%.

Do lado da despesa, o Governo garante que está a ser feita uma “forte aposta no Investimento Público e no Serviço Nacional de Saúde.” A nota das Finanças explica que a “estabilização” da despesa primária face a 2016 se justifica pelo diferente perfil de pagamento do subsídio de Natal dos funcionários públicos e pensionistas (no ano passado era todo pago em duodécimos, enquanto este ano só é pago metade ao longo de 12 meses, sendo os restantes 50% no final do ano).

"A despesa do SNS cresceu 4,8%, sendo superior à soma das taxas de crescimento da despesa dos últimos dois anos.”

Ministério das Finanças

Fonte oficial

E faz questão de sublinhar que “A despesa do SNS cresceu 4,8%, sendo superior à soma das taxas de crescimento da despesa dos últimos dois anos.” Pedro Passos Coelho, em declarações em Leiria, este domingo, tinha acusado o Executivo de aplicar menos verbas para a Saúde do que as dedicadas pelo anterior Governo. “Se descontarmos os aumentos de salários, vemos que hoje está disponível menos dinheiro para a Saúde,” defendeu.

Ritmo de melhoria das contas vai abrandar

Contudo, este ritmo de melhoria das contas públicas não é para manter, avisa desde já o ministério liderado por Mário Centeno. “A continuação desta tendência de melhoria dá confiança no alcance dos objetivos orçamentais definidos para 2017 e permitirá acomodar o impacto de fatores que se traduzirão num abrandamento do ritmo de redução do défice no quarto trimestre,” lê-se na nota das Finanças, enviada às redações.

Centeno está a referir-se a três efeitos, com um impacto total de 1.500 milhões de euros:

  1. “O perfil do pagamento do subsídio de Natal, com 50% em novembro;”
  2. Do lado da receita, “a componente temporária do PERES;”
  3. E “o acerto de margens financeiras da União Europeia.”

No período de janeiro a julho o défice já tinha registado uma melhoria significativa face ao mesmo período de 2016, recuando 1.153 milhões de euros. Nessa altura, o ministro fez o mesmo aviso. Os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) também apontam para uma redução do défice, mesmo na contabilidade que interessa à Comissão Europeia (a ótica de compromisso). Segundo o INE, no primeiro semestre o défice foi de 1,9% do PIB.

Quanto à evolução da dívida comercial das administrações públicas, o Ministério das Finanças garante que esta se reduziu 328 milhões de euros em termos homólogos, mas assume que os pagamentos em atraso (a dívida vencida há mais de 90 dias) aumentaram 14 milhões de euros face ao ano passado. Os dados da DGO têm revelado um aumento dos pagamentos em atraso dos hospitais-empresa desde o início do ano.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice recua 1.901 milhões de euros até agosto com a economia a ajudar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião