Governo renegoceia contrato com SIRESP em 2018

  • ECO
  • 26 Setembro 2017

O Executivo não quer desistir do SIRESP, mas quer mudanças na tecnologia, na rede física e no contrato, que o MAI pretende renegociar no próximo ano.

Em 2018, o Governo vai arrancar com a renegociação do contrato com a operadora do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança (SIRESP), cujo contrato termina só em 2021. A informação é avançada pelo Público (acesso condicionado), com base em informação disponibilizada pelo Ministério da Administração Pública (MAI).

“A partir de 2018, o Governo tomará as opções estratégicas no âmbito da rede de emergência e segurança nacional, incluindo as componentes tecnológica, física e contratual”, disse o MAI ao Público.

Esta notícia surge depois de há cerca de semana e meia a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, ter revelado em resposta à pergunta do deputado André Silva do PAN (Pessoas, Animais e Natureza), que o objetivo do Governo não é “substituir” a rede SIRESP por “uma alternativa”, mas “antes melhorá-la”.

De recordar que, no seguimento do incêndio de Pedrógão Grande, o Governo criou dois grupos de trabalho para estudarem a criação de redes de comunicação alternativas seguras, quando a rede principal falhar, mas também para tornar esta mais resistente, nomeadamente perante o fogo.

Contudo, o objetivo do Governo não passará por abandonar o SIRESP como rede de comunicações de emergência. Nas respostas ao Público, o MAI defende a solução: “A rede SIRESP é uma rede robusta e capaz de assegurar, com qualidade, as comunicações de emergência em Portugal. Ao longo dos anos, a rede revelou problemas de resiliência, de cobertura e de ausência de redundâncias que este Governo está a resolver”, responde o gabinete da ministra Constança Urbano de Sousa.

Em causa estarão sobretudo questões técnicas e da estrutura da rede. Isto, porque o contrato com a SIRESP prevê que o sistema seja atualizado em termos tecnológicos, mas não na sua estrutura física, que se mantém praticamente igual desde que foi implementado por completo.

Nas Grandes Opções do Plano (GOP) para o próximo ano, o Governo já tinha determinado que haveria um reforço da cobertura do SIRESP, tanto ao nível da resiliência como da redundância da rede. De acordo com a Lusa, que divulgou as GOP, em 2018 será ainda amplificado o projeto de georreferenciação das viaturas de bombeiros e a implementação do SIRESP ST, que permitirá uma localização exata das ocorrências.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo renegoceia contrato com SIRESP em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião