Isabel dos Santos: Tomada de posse de João Lourenço marca “transição pacífica”

  • Lusa
  • 26 Setembro 2017

Isabel dos Santos, filha do agora ex-Presidente de Angola, fala num "misto de sentimentos" na tomada de posse mas reitera a felicidade da família dos Santos em ver uma transição pacífica.

A empresária Isabel dos Santos, filha do agora ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, considerou a tomada de posse do novo chefe de Estado, João Lourenço, como “um momento muito especial” que mostra “uma transição pacífica”.

Em declarações à imprensa no final da cerimónia de investidura do novo Presidente de Angola, a também presidente do conselho de administração da petrolífera estatal angolana, Sonangol, classificou o dia como um misto de sentimentos. “É um sentimento muito misto, porque é um momento muito especial, porque é um momento muito feliz sobretudo, isto é a primeira coisa que tem que se dizer. Nós estamos muito felizes, como família, de ver uma transição pacífica”, disse.

A participação de vários convidados internacionais na cerimónia desta terça-feira, a realização de um processo eleitoral, “que esteve à altura das expectativas de todos os angolanos”, e o exemplo que Angola representa para África são motivos de satisfação para a família presidencial, considerou Isabel dos Santos.

“Conversei com alguns presidentes africanos presentes na cerimónia desta terça-feira e todos disseram que realmente Angola inspira e que Angola é um exemplo de África, e que é um exemplo para o mundo, que em África é possível termos transições, nós mudarmos de Presidente, fazermos eleições e termos esses processos de forma tranquila, pacífica, como nos outros países do mundo”, afirmou a empresária.

Instada a comentar os receios de uma boa coabitação entre o novo Presidente da República e o ex-Presidente, Isabel dos Santos minimizou eventuais temores, porque “é assim que são as democracias”. “Talvez para quem o processo seja novo e não esteja habituado tenha algum receio e alguma ansiedade, mas faz parte a tomada de posse de novos Presidentes, com certeza esta não será a última tomada de posse em Angola, daqui a muitos anos isso já será um processo completamente normal”, frisou.

Isabel dos Santos acrescentou que vê com “muitos bons olhos, com confiança”, o futuro de Angola, “com tudo para dar certo”. “Temos muitos desafios, passamos um momento muito difícil economicamente, temos que, nós próprios, começar a pensar nas soluções, como é que nós também podemos ajudar a resolver o país, não contar que é só o chefe que resolve, mas cada um de nós também tem que resolver, mas eu vejo o futuro com muita confiança”, salientou.

Eu vejo o futuro com muita confiança

Isabel dos Santos

Relativamente ao discurso de tomada de posse do novo Presidente de Angola, Isabel dos Santos disse ter tocado “nos pontos todos fundamentais”, nomeadamente no emprego, no papel da juventude, dos professores, por isso em todos os setores importantes da sociedade. “Acho que é um discurso que permite já antever quais é que serão as prioridades do próximo Governo e onde é que vão realmente ser consagrados os maiores esforços“, referiu.

Isabel dos Santos lidera desde junho de 2016 a Sonangol, em processo de reestruturação, tendo assumido que leva “muito a peito” este compromisso. Recordou que assumiu o cargo de presidente da petrolífera “num período muito difícil, muito crítico”, com o preço do petróleo a 29 dólares no mercado internacional. “A empresa estava com os cofres vazios, tínhamos muitas dificuldades e este ano tem sido um ano no fundo de gerir essas dificuldades e conseguirmos passo a passo sobreviver às dificuldades e devagarinho começar a pensar no futuro“, observou.

Admite que ainda é cedo para se “pensar num futuro brilhante”, salientando que continua a decorrer o trabalho para se atingir a estabilidade da empresa e fazer com que as suas necessidades sejam cumpridas. “Temos reduzido custos, temos instaurado um clima de mérito, as pessoas que merecem estão nos bons lugares, elas é que terão os cargos, tentamos mudar alguns critérios de trabalho, dar prioridade realmente ao que é importante. Quando se tem poucos recursos, quando não há muito dinheiro, é importante fazer o melhor possível com o pouco que se tem e é essa a filosofia que se tem estado a aplicar na empresa”, salientou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos: Tomada de posse de João Lourenço marca “transição pacífica”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião