Patrões aceitam estratégia do pós-2020, sindicatos preferem falar do presente

  • Lusa
  • 26 Setembro 2017

O Governo quer a participação dos parceiros sociais para preparar a negociação com Bruxelas dos fundos comunitários no pós-2020. Os patrões aceitam. Os sindicatos querem resolver os problemas atuais.

As confederações patronais anunciaram que subscrevem as prioridades do Governo para o próximo quadro comunitário de apoio, mas as centrais sindicais defenderam que, antes de falar do futuro, é preciso avaliar os problemas do presente.

As posições dos parceiros sociais foram conhecidas esta tarde, após uma audição da concertação social sobre os fundos comunitários pós 2020, onde estiveram presentes o primeiro-ministro, António Costa, e vários ministros.

À saída do encontro, o presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, disse que “o documento de reflexão” apresentado pelo Governo aos parceiros sociais tem a concordância da associação que lidera.

“Subscrevemos o documento” e “apoiamos o Governo nesta sua determinação em exigir a Bruxelas a manutenção da política de coesão”, disse António Saraiva aos jornalistas.

Para a CIP, o próximo quadro comunitário deverá ser focado em três grandes áreas: a qualificação dos recursos humanos, a inovação do tecido empresarial e o investimento, acrescentou António Saraiva.

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), Vieira Lopes, disse não ter “discordâncias de fundo” e que aceita “globalmente” o documento do Governo para o Pós-2020, mas defendeu que há pontos que devem ser “aprofundados”.

“Pensamos que é em torno do ordenamento do território que deve ser reestruturada a política económica portuguesa”, afirmou Vieira Lopes.

Do lado das centrais sindicais, tanto a CGTP como a UGT, defenderam que, antes da discussão da estratégia para os fundos comunitários para depois de 2020, é preciso olhar para a atual década.

“A preparação do futuro começa com a resposta aos problemas do presente”, como “o desequilíbrio das relações laborais, a acentuação das desigualdades e o empobrecimento”, declarou o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.

Para o líder da CGTP, a criação de emprego com qualidade devia ser a prioridade do futuro quadro comunitário, mas “surge neste projeto num quadro secundarizado”.

Também a presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, defendeu que há ainda “muito trabalho a fazer” até 2020.

“É fundamental que haja um aumento dos salários, uma política fiscal mais justa” e que o salário mínimo seja aumentado, considerou a presidente da central sindical, acrescentando, por outro lado, que “é importantíssimo a UGT fazer parte” da discussão sobre o próximo quadro comunitário de apoio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Patrões aceitam estratégia do pós-2020, sindicatos preferem falar do presente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião