Autoridade de Supervisão de Seguros dá luz verde para venda do Novo Banco

  • ECO
  • 3 Outubro 2017

O supervisor dos seguros aprovou a venda de participações em empresas do banco português onde também detinha capital.

O Novo Banco está mais próximo de ser vendido ao Lone Star. A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) aprovou a aquisição do banco português pelo fundo norte-americano, segundo o Jornal de Negócios.

A autoridade supervisora liderada por José Almaça dispõe de participações em duas seguradoras e um fundo de pensões do Novo Banco. Numa deliberação de 27 de setembro, a ASF afirmou “não se opor à aquisição” do capital social da GNB – Companhia de Seguros Vida e da GNB – Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, ambas as seguradoras pertencentes ao grupo do banco português.

O Banco Central Europeu, no entanto, recusou-se a comentar se autoriza a detenção de 75% do capital do Novo Banco pela Lone Star, algo já acordado entre o fundo norte-americano e o Fundo de Resolução no passado dia 31 de março. A Comissão Europeia também deverá pronunciar-se quanto à aquisição, de forma a aferir se o plano de reestruturação do fundo norte-americano assegura a viabilidade do banco português.

A Comissão Europeia encontra-se atualmente “em contacto construtivo com o Governo português sobre o plano final de reestruturação do Novo Banco, que precisa de garantir que o banco seja viável a longo prazo”, afirmou Ricardo Cardoso, porta-voz da Comissão Europeia, ao ECO. No entanto, ainda não foi avançado um plano de negócio.

A reestruturação do banco está a ser discutida entre o comprador e a autoridade de resolução. Já do lado da Lone Star, apenas foi avançado que se pretende manter o banco por inteiro, e que quer o Novo Banco a dar crédito de seis mil milhões de euros à economia todos os anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridade de Supervisão de Seguros dá luz verde para venda do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião