Banco de Portugal recebeu 7.603 reclamações em seis meses

Banco de Portugal recebeu 7.603 reclamações de clientes bancários no primeiro semestre do ano, traduzindo-se num aumento de 7,5% face ao mesmo período de 2016.

O Banco de Portugal recebeu 7.603 reclamações de clientes bancários no primeiro semestre do ano, correspondendo a um aumento de 7,5% face ao mesmo período de 2016, devido sobretudo a queixas relativas ao “crédito hipotecário e ao crédito ao consumo”.

São mais de 1.200 reclamações em média por mês, cerca de 40 reclamações por dia, de acordo com a Sinopse de Atividades de Supervisão Comportamental, onde a instituição liderada por Carlos Costa descreve os resultados da sua atividade de supervisão dos mercados bancários de retalho entre janeiro e junho deste ano.

Entre os destaques da sua ação, o Banco de Portugal informa que aumentaram as reclamações dos clientes bancários durante os seis primeiros meses do ano (+7,5%), devendo-se esta evolução sobretudo ao números de queixas registadas relativas ao crédito hipotecário e ao crédito aos consumidores, “cuja média mensal aumentou, respetivamente, 32,4% e 10,4%”. Já as reclamações sobre contas de depósito diminuíram 2,8%.

A autoridade de supervisão detalha ainda que em 62% das reclamações encerradas não foram detetados indícios de infração por parte do banco reclamado. “Nos restantes 38%, a situação reclamada foi resolvida por iniciativa da instituição ou por atuação do Banco de Portugal”, informa ainda o banco central.

Dados que surgem num contexto de forte crescimento dos empréstimos dos bancos às famílias com vista ao consumo. Os últimos dados do Banco Central Europeu (BCE) mostravam que o bolo total do crédito ao consumo cresceu em 370 milhões de euros, em agosto, face ao mês anterior. O saldo total deste tipo de crédito aumentou assim em 2,87%, para 13.275 milhões de euros, no final de agosto.

BdP exigiu 119 alterações aos preçários

Na mesma sinopse, o Banco de Portugal indica que realizou análises a 581 preçários de bancos, um trabalho de supervisão do qual resultou alterações em 119 preçários por exigência da autoridade central.

Paralelamente, a instituição adianta ainda que emitiu 230 determinações dirigidas a 46 instituições “exigindo a correção das irregularidades detetadas na sequência das atividades de supervisão comportamental.

Neste âmbito, acrescenta, “o Banco de Portugal instaurou 37 processos de contraordenação contra 17 instituições, que incidiram sobretudo sobre a comercialização de crédito aos consumidores (11 processos) e as regras de comunicação de informação à central de responsabilidades de crédito (nove processos)”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal recebeu 7.603 reclamações em seis meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião