Apenas uma em seis operações de desinvestimento em capital de risco deu lucro

Investir em empresas com maior risco de insucesso continua a ser um desafio. Apenas uma em seis alienações de capital de risco deu mais-valia. CMVM salienta ausência de recurso ao mercado de capitais.

Apenas uma em cada seis operações de desinvestimento em capital de risco resultou em mais-valias face ao valor de aquisição, tendo apresentado um “lucro” de 88,5 milhões de euros em 2016, segundo as conclusões do relatório anual de capital de risco divulgado esta terça-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Mais de um terço registou menos-valias.

O capital de risco constitui um instrumento de financiamento de empresas, sobretudo para as pequenas e médias empresas, sendo o investimento direcionado para projetos que se encontrem em fase de arranque (startups, por exemplo) ou expansão. São por isso investimentos que apresentam um elevado grau de falhar.

De acordo com a CMVM, foram concretizadas 402 operações de desinvestimento em 2016, resultantes das alienações ocorridas em 180 empresas e levadas a cabo por 23 sociedades. “Estas alienações resultaram num desinvestimento de cerca de 398,4 milhões de euros”, adianta o regulador. E em muitos dos casos, estas operações deram prejuízo para o investidor: em mais de um terço resultou em menos-valias.

“Aproximadamente 34,1% das operações de desinvestimento em capital de risco resultaram em menos-valias face ao valor em carteira e 44,5% registaram mais-valias para os operadores de capital de risco”, detalha a CMVM.

"Aproximadamente 34,1% das operações de desinvestimento em capital de risco resultaram em menos-valias face ao valor em carteira e 44,5% registaram mais-valias para os operadores de capital de risco.”

CMVM

Relatório anual da atividade de capital de risco

“Contudo, as conclusões alteram-se quando as valias são apuradas com base no valor de aquisição. Apenas 16,2% das operações registaram mais-valias, num montante de 88,5 milhões de euros”, acrescenta. Ou seja, apenas uma em cada seis operações deu lucro.

No relatório de atividades, a CMVM deixa uma crítica implícita ao facto de os operadores de capital de risco continuarem afastados do mercado acionista como caminho alternativo para alienar as suas participações.

“Em 2016 não houve nenhum desinvestimento via oferta pública inicial (IPO), apesar de cerca de 103 (12,8%) detidas no final do ano pelos operadores de capital de risco apresentarem um valor superior a 2,5 milhões de euros, o que indica que, em teoria, existem empresas na esfera do capital de risco com condições para a introdução no mercado de capitais”, frisa o regulador liderado por Gabriela Figueiredo Dias, lembrando que aquele é o valor mínimo em termos de dispersão bolsista para a realização de um colocação privada no mercado Alternext.

Segundo os dados da CMVM, a nível europeu, a atividade de venture capital cresceu para 4,4 biliões de euros em 2016. Em Portugal os ativos sob gestão do setor do capital de risco mantiveram a tendência de crescimento verificada em anos anteriores, tendo no final do ano atingido 4,6 mil milhões de euros.

"Contudo, as conclusões alteram-se quando as valias são apuradas com base no valor de aquisição. Apenas 16,2% das operações registaram mais-valias, num montante de 88,5 milhões de euros.”

CMVM

Relatório anual da atividade de capital de risco

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Apenas uma em seis operações de desinvestimento em capital de risco deu lucro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião