PSD: Manifesto quer social-democracia de “rosto humano”

José Eduardo Martins é um dos subscritores de um manifesto sobre o PSD divulgado esta quarta-feira, cerca de um hora antes de Rui Rio fazer o anúncio da sua candidatura à presidência do partido.

“Nós, Sociais-Democratas”. É este o nome do manifesto assinado por José Eduardo Martins, candidato do PSD à Assembleia Municipal de Lisboa e ex-secretário do Estado do Ambiente, e outras figuras internas que querem uma social-democracia de “rosto humano”.

Uma das premissas do texto publicado no site socialdemocracia.pt é que o partido deve colocar “a economia ao serviço da pessoa e não a pessoa ao serviço da economia”. A iniciativa foi revelada pouco antes de Rui Rio fazer o anúncio de candidatura à presidência do PSD.

“Por uma Social-Democracia de Rosto Humano (para não cairmos na cartilha tecnocrática outra vez!)”, reclama este manifesto. A ideia do texto, segundo José Eduardo Martins referiu ao Observador, é “pôr as pessoas a pensar” para que a discussão não seja concentrada em candidatos, mas sim em ideias. “Agradecemos a visita, as opiniões e os contributos bem intencionados”, disse numa publicação no seu Facebook.

O manifesto tem expressões como a necessidade de haver “inteligência crítica sem demónios apocalípticos à espreita nem velhos do Restelo” — uma possível referência ao anúncio do diabo que Passos Coelho protagonizou enquanto oposição. Nos dez pontos o texto contém considerações gerais sobre vários assuntos.

Entre eles está a economia e a política, onde o manifesto parece ir contra uma ideia de um PSD mais liberal. “Por um Partido que incorpora boas práticas na sua ação política e nas políticas públicas, apoiando e dinamizando a capacidade de criação de valor local e global a partir da livre iniciativa da sociedade, tornando o Estado suficiente e não só eficiente“, lê-se.

Apesar de ser crítico de Pedro Passos Coelho, José Eduardo Martins foi responsável pelo programa eleitoral do PSD em Lisboa, tendo sido candidato à Assembleia Municipal. Contudo, desde que o atual presidente do partido anunciou que não se vai recandidatar, o ex-secretário de Estado do Ambiente não fez comentários nem demonstrou apoio a Rio ou Santana Lopes — os dois candidatos já anunciados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD: Manifesto quer social-democracia de “rosto humano”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião