Saiba quanto vale cada medida no OE2018

  • Margarida Peixoto
  • 13 Outubro 2017

O IRS desce, as pensões sobem. Mas a tributação sobre bebidas açucaradas aumenta e aparece um novo imposto sobre o sal. O imposto de selo para o crédito ao consumo também sobe. Quanto vale o quê?

Mário Centeno, ministro das Finanças, entregou esta sexta-feira o Orçamento do Estado para 2018 a Ferro Rodrigues, Presidente da Assembleia da República.Paula Nunes/ECO

No Orçamento do Estado para 2018, o Governo vai aplicar um pacote total no valor de 482 milhões de euros em termos líquidos, resultantes de medidas com impacto nas contas públicas. No final do ano, compromete-se a chegar a um défice de 1% do PIB, o que implica menos 716 milhões de euros do que o verificado em 2017. Ainda assim, o ministro das Finanças Mário Centeno encontrou forma de encaixar um aumento extraordinário de pensões e uma descida de IRS nas contas. Quanto vale cada medida?

De acordo com o quadro das medidas de política orçamental, o impacto do lado da receita é positivo para o saldo orçamental, mas será apenas na ordem dos 55 milhões de euros. Os 148 milhões de euros que o Governo espera receber a mais em dividendos do Banco de Portugal, juntamente com as alterações aos impostos especiais sobre o consumo (que vão render 150 milhões de euros em coleta a mais) e acréscimos nas receitas dos fundos estruturais pagam, grosso modo, a alteração dos escalões de IRS e a eliminação da sobretaxa.

Do lado da despesa, Mário Centeno compromete-se com uma poupança de 427 milhões de euros. As fatias mais relevantes correspondem a poupanças com juros, ao congelamento nominal dos consumos intermédios e ao exercício de revisão da despesa — cada uma destas alíneas vale cerca de 300 milhões de euros. Contudo, haverá que acomodar os gastos acrescidos com o descongelamento faseado das progressões e a atualização extraordinária das pensões.

Em baixo, pode consultar o quadro completo.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saiba quanto vale cada medida no OE2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião