Os 3 alvos de Marcelo: a ministra, a moção de censura e o Orçamento

Num discurso que tocou três pontos fundamentais, o Presidente da República pediu ao Parlamento que avalie se quer manter o Governo e exigiu um pedido de desculpas do Executivo.

Vítimas dos incêndios “no pensamento”, Governo em xeque. Foi desta forma que o Presidente da República falou na noite desta terça-feira, em Oliveira do Hospital, no rescaldo dos incêndios que, desde o início do verão, mataram mais de 100 pessoas em Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa garantiu que as mais de 100 vítimas “estarão para sempre no seu pensamento” e pediu à Assembleia da República que decida se quer manter o Governo em funções.

O Presidente deixou também a porta aberta para a saída de Constança Urbano de Sousa, ministra da Administração Interna, e deu orientações para um reforço das verbas destinadas ao combate aos incêndios nos próximos orçamentos do Estado.

Governo deve manter-se? O Parlamento que decida

"Se, na Assembleia da República, há quem questione a capacidade do atual Governo para realizar estas mudanças que são indispensáveis e inadiáveis, então, que, nos termos da Constituição, a mesma Assembleia, soberanamente, clarifique se quer ou não manter em funções o Governo, condição essencial para, em caso de resposta negativa, se evitar um equívoco, e, em caso de resposta positiva, se reforçar o mandato para as reformas inadiáveis.”

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

O CDS-PP fez saber, esta terça-feira, que irá apresentar uma moção de censura ao Governo, que considera não ter cumprido a “função mais básica do Estado”: proteger as pessoas. “O Estado falhou na prevenção, falhou no combate e terá falhado também no socorro às vítimas”, disse a líder do partido, Assunção Cristas.

Na sequência deste anúncio, o PSD disse que não avançará com a própria moção de censura, mas deu a entender que apoiará a iniciativa do CDS-PP. “Não será surpreendente para ninguém que o PSD não dê apoio a este Governo. Está de certa forma antecipada a decisão que o PSD vai tomar”, disse o deputado José Matos Correia.

É neste contexto que Marcelo Rebelo de Sousa diz a todos os partidos para clarificarem as suas posições e decidirem se querem ou não manter o Governo em funções.

E a ministra? Não deve fazer parte de um novo ciclo

"[O Presidente da República] pode e deve dizer que abrir um novo ciclo, inevitavelmente, obrigará o Governo a ponderar o quê, quem, como e quando melhor serve esse ciclo.”

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

A demissão da ministra Constança Urbano de Sousa tem sido exigida pelos partidos da oposição desde os incêndios de Pedrógão Grande, que vitimaram 64 pessoas. Esta semana, começam a levantar-se vozes mesmo dentro do Partido Socialista. O eurodeputado socialista Francisco Assis considerou “completamente desastrosa” a reação política do Governo aos incêndios do fim de semana, antevendo que, demorando “mais ou menos tempo”, a ministra da Administração Interna acabará, “inevitavelmente”, por se demitir.

Do lado do Governo, a resposta tem sido sempre a mesma. Ainda na segunda-feira, no seu discurso a propósito dos últimos incêndios, o primeiro-ministro assegurou que este não é o “tempo de demissões”, mas de “soluções”.

Agora, o Presidente da República, vem dizer a António Costa que deve repensar essa posição.

Orçamentos com verbas reforçadas para prevenção e combate

"Esta é a última oportunidade para levarmos a sério a floresta e a convertermos em prioridade nacional. Se houver margens orçamentais, que se dê prioridade à floresta e à prevenção dos fogos.”

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

O último recado de Marcelo Rebelo de Sousa foi para as verbas destinadas ao combate e à prevenção de incêndios.

Nas 276 páginas do relatório do Orçamento do Estado para 2018, as palavras “incêndio” ou “fogos” surgem apenas seis vezes. As palavras “combate” e “prevenção”, num contexto de fogos florestais, surgem ainda menos. Ao todo, o Governo destina um total de 234,8 milhões de euros para a Proteção Civil e luta contra incêndios, o equivalente a mais 23,7 milhões face ao ano passado.

Marcelo é claro: é preciso mais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os 3 alvos de Marcelo: a ministra, a moção de censura e o Orçamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião