CDS vai apresentar moção de censura ao Governo

A líder do CDS-PP Assunção Cristas anunciou esta tarde, em conferência de imprensa, que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo.

O CDS diz que o Governo não cumpriu a “função mais básica do Estado” — proteger as pessoas — nem retirou qualquer consequência da tragédia de Pedrógão. E vai apresentar uma moção de censura ao Governo.

Em declarações proferidas na sede do partido na tarde desta terça-feira, a líder do CDS aponta para o relatório da comissão técnica sobre os acontecimentos de Pedrógão, dizendo que este é “claro nas falhas que aponta na prevenção e no combate ao fogo, assumindo uma janela de tempo em que, se tivessem sido empregados os meios disponíveis, teria sido possível evitar o pior”. E “o relatório do professo Xavier Viegas vai no mesmo sentido“, adiantou Assunção Cristas.

Para a líder do CDS-PP, o “Estado falhou na prevenção, falhou no combate e terá falhado também no socorro às vítimas.”

Depois de uma palavra de pesar e condolências a familiares e amigos das vítimas, a líder do CDS falou em “indignação” pela “repetição de uma tragédia de tão larga dimensão humana”. “Com a informação que já temos disponível e fazendo uma avaliação política das várias entidades e do Governo nestes episódios, decidimos agendar como primeiro ponto do nosso Conselho Nacional do próximo sábado, na Covilhã, a avaliação da tragédia dos incêndios deste ano, apresentar uma moção de censura ao Governo pela falha grande em cumprir a função mais básica do Estado: proteger as pessoas”, declarou Assunção Cristas.

O texto será entregue “amanhã ou depois” no Parlamento, após consultados os deputados do grupo parlamentar. Mas a decisão já foi comunicada ao Presidente da República e ao presidente do PSD, disse ainda.

Nos últimos quatro meses, o Governo “não parece ter retirado qualquer consequência da tragédia de Pedrógão”, criticou a líder dos centristas. “Nestes último quatro meses, o Primeiro-Ministro não agiu, não corrigiu os erros, não assumiu as responsabilidades e pautou-se pela inação”, acrescentou.

E agora, “repetida a tragédia”, o Governo “não assume uma única responsabilidade, não reconhece um único erro, não faz um único pedido de desculpas, não toma a dianteira em indemnizar os familiares das vítimas”, diz ainda.

Para o CDS, não basta aprovar medidas de médio e longo prazo: “o primeiro-ministro tem de demonstrar que está à altura de compreender a essência das funções do Estado e do serviço do Governo para as cumprir”.

“Os portugueses não podem ter um Governo que, numa situação de catástrofe, não compreende a sua função e não responde à altura das exigências”, frisou Cristas.

A centrista explica que, se a moção de censura vier a ser aprovada, “certamente que isso levará a uma demissão do Governo”. Mesmo conhecendo o apoio parlamentar do Executivo, “entendemos que uma situação desta gravidade, sem ímpar” na História recente, “é uma situação que justifica a censura ao Governo”, afirmou.

Aliás, Cristas afirma que há quatro meses o CDS fez alertas e sugestões, e o Primeiro-Ministro afirmou que “era o responsável direto por tudo o que se passasse a partir de então”. Com esta “repetição inimaginável” do cenário de incêndios, “é altura de o senhor Primeiro-Ministro se apresentar para as devidas consequências”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS vai apresentar moção de censura ao Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião