Setembro foi o segundo mês de maior execução dos fundos para as empresas

Em setembro, houve um abrandamento no nível das aprovações de novos projetos, mas a taxa de compromisso para as empresas já vai em 94%.

Setembro foi o segundo mês com maior execução dos fundos direcionados a empresas. Foram executados 78 milhões de euros em incentivos, o que coloca a taxa de execução dos Sistemas de Incentivos em 23%. O principal responsável foi o Programa Operacional Norte que aumentou a sua execução em 43,51 milhões de euros no espaço de um mês. Só em março houve um desempenho melhor, com uma execução de 87 milhões de euros.

Foi em setembro que a polémica estalou — Portugal estaria em risco de perder fundos comunitários, tendo de os devolver a Bruxelas, por atrasos na execução de verbas. No final de agosto, faltava apresentar a Bruxelas pedidos de pagamento neste valor de 132 milhões de euros e o programa mais atrasado era o Compete, o programa operacional dedicado às empresas, com um défice de pedidos de 45 milhões de euros. Ora, os dados agora revelados, relativos à execução de setembro revelam que o Compete teve, no mês passado, a segunda maior taxa de execução do incentivo: 60 milhões de euros. Tal como ao nível dos SI, março de 2017 também foi o melhor mês a este nível. Em média, a taxa de execução do Compete é de 33 milhões por mês.

A razão pela qual os SI espelham o comportamento do Compete deve-se ao facto de este ser o programa operacional com mais verbas para as empresas, embora também sejam neles contabilizados os montantes destinados a apoiar o investimento empresarial inscritos nos vários programas operacionais regionais.

Em setembro houve 78% de execução do incentivo ao nível dos SI

Fonte: Compete; A execução dos Sistemas de Incentivos só começou em junho de 2016.

Mas os dados revelados mostram, por outro lado, um abrandamento ao nível das aprovações de novos projetos. Foram aprovado 86 novos projetos para receber apoios, o que representa o compromisso de mais 80 milhões de euros, o que eleva para 94% a taxa de compromisso das verbas destinadas às empresas até 2020. Em média, ao longo dos últimos 12 meses, eram aprovados em média cerca de 136 milhões de euros em apoios.

Ritmo de aprovação de novos projetos abranda

Fonte: Compete

Mas este abrandamento já não se reflete ao nível das contratualizações. Se em agosto foram contratados 86 milhões de euros, em setembro, esse valor subiu para 96 milhões. Ainda assim, os valores estão muito aquém dos níveis de contratualização feitos há um ano, quando a prioridade do Executivo era avançar com os fundos tentando-os fazer chegar o mais depressa possível ao tecido empresarial. Recorde-se que nessa altura foi mesmo lançado um acelerador do investimento, tanto para as empresas como para as autarquias.

Isto resulta num aumento dos pagamentos às empresas. Depois dos 40 milhões pagos em agosto, em setembro, os empresários receberam mais 90 milhões de euros. Mais elevado só em janeiro (138 milhões) e em março (97 milhões). Este desempenho levou inclusivamente o primeiro-ministro a anunciar que até ao final do ano serão pagos 1.250 milhões. Um valor que será duplicado, em 2018, de acordo com a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano.

Em termos gerais, o mais recente relatório de monitorização dos fundos destinados às empresas, revela que há 11.300 projetos aprovados, que representam um investimento elegível de 7,08 mil milhões de euros, ou seja, a parte do investimento total que poderá ser apoiado pelos fundos comunitários. Assim, a taxa de compromisso dos fundos para empresas está em 94%, ou seja, se nada for feito (se não houver uma reprogramação) até 2020 as entidades gestoras só poderiam lançar concursos no valor de 220 milhões de euros. O Executivo garante que este cenário não se vai concretizar, porque no âmbito da reprogramação do Portugal 2020 as empresas são uma das prioridades.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setembro foi o segundo mês de maior execução dos fundos para as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião