Tribunal de Contas acusa Saúde de “falsear indicadores de desempenho”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 17 Outubro 2017

Auditoria do Tribunal de Contas incide sobre o triénio 2014-2016. Aumentou o número de utentes em lista de espera cirúrgica e os tempos de resposta.

O Tribunal de Contas fez uma auditoria ao acesso aos cuidados de saúde no SNS no período 2014-2016 e concluiu que a “qualidade da informação disponibilizada publicamente” pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) sobre listas de espera “não é fiável”. E diz que há indicadores de desempenho falseados.

Os resultados da auditoria, conhecidos esta terça-feira, revelam que a “qualidade da informação disponibilizada publicamente” pela ACSS sobre listas de espera “não é fiável, devido a falhas recorrentes na integração da informação das unidades hospitalares nos sistemas centralizados de gestão do acesso a consultas hospitalares e cirurgias, bem como devido às iniciativas centralizadas”.

O Tribunal acrescenta que as iniciativas centralizadas desenvolvidas em 2016 pela ACSS, relativas a “validação e limpeza das listas de espera para primeiras consultas de especialidade hospitalar do universo das unidades hospitalares do SNS, incluíram a eliminação administrativa de pedidos com elevada antiguidade, falseando os indicadores de desempenho reportados”.

Tempos de espera aumentam

O Tribunal de Contas aponta para uma “degradação do acesso dos utentes a consultas de especialidade hospitalar e à cirurgia programada”. Quais as conclusões?

  • Aumento do tempo médio de espera para a realização de uma primeira consulta de especialidade hospitalar, de 115 para 121 dias, e do incumprimento dos tempos máximos de resposta garantidos, de 25% em 2014 para 29% em 2016;
  • Aumento do número de utentes em lista de espera cirúrgica, em 27 mil utentes (mais 15%); do tempo médio de espera até à cirurgia, em 11 dias (mais 13%), e do incumprimento dos tempos máximos de resposta garantidos, de 7,4% em 2014 para 10,9% em 2016.

É preciso emitir vales cirurgia automaticamente

O Tribunal presidido por Vítor Caldeira conclui que a “não emissão atempada e regular de vales cirurgia e notas de transferência aos utentes em lista de espera” veio aumentar os tempos de espera. E recomenda ao Ministério da Saúde “a criação de mecanismos de emissão automática de vales cirurgia nos prazos regulamentares” quando não é possível cumprir os tempos máximos de resposta garantida nos hospitais, “de forma a que o processo de internalização da produção cirúrgica no SNS não ponha em causa o direito dos utentes à prestação de cuidados de saúde em tempo considerado clinicamente aceitável”.

Além disso, entende que a qualidade dos indicadores de acesso relativos à primeira consulta hospitalar e cirurgia programada devem ser sujeitos a “verificações regulares”, por uma entidade externa à ACSS.

Ao Conselho Diretivo da ACSS, o Tribunal recomenda que “não adote procedimentos administrativos que resultem na diminuição artificial das listas e dos tempos de espera” e que “produza relatórios que explicitem os critérios adotados, métodos e resultados obtidos, sempre que sejam modificadas as bases de dados dos sistemas de informação – quer da consulta a tempo e horas (CTH), quer da gestão integrada de inscritos para cirurgia (SIGIC) – a nível central, para correção de erros”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal de Contas acusa Saúde de “falsear indicadores de desempenho”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião