Quem dá mais pela nova sede da Amazon?

A Amazon tem 4,2 milhões de euros para investir na nova sede nos Estados Unidos. Várias cidades concorrem entre si, numa luta pela localização da futura HQ2. Conheça algumas das propostas.

A Amazon anunciou que tem cinco mil milhões de dólares para investir na construção da sua nova sede. A localização será algures nos Estados Unidos e, para isso, a empresa abriu uma espécie de concurso ao qual as cidades se candidatam para receber a nova sede. As candidaturas decorrem até dia 19 de outubro, mas algumas propostas já foram conhecidas.

Seattle é a cidade que abraça a atual sede da Amazon. No entanto, a empresa pretende construir uma nova sede, a HQ2, de forma a conseguir expandir-se facilmente para outras indústrias e ligar os seus negócios entre si. O gigante do comércio eletrónico tem disponíveis cinco mil milhões de dólares (4,2 mil milhões de euros) para investir na construção dessa nova sede, que prevê empregar 50 mil novos funcionários nos próximos 15 a 17 anos.

O concurso decorre desde o passado mês de setembro, quando a empresa anunciou os planos para a nova sede. Desde então as várias cidades norte-americanas competem entre si para serem as escolhidas. Mas desengane-se se pensa que é um processo simples e só uma questão de vontade: a candidatura exige certos requisitos, tais como a cidade ter uma grande área metropolitana, com mais de um milhão de habitantes e ter vários profissionais tecnológicos especializados que possam ser contratados. O ECO reúne algumas das propostas que já foram enviadas:

Dallas, Texas

Investimento de 15 mil milhões de dólares numa linha ferroviária na zona da nova sede

As empresas Matthews Southwest e Texas Central Partners desenvolveram um projeto de mobilidade orientado para a zona do futuro campus HQ2 da Amazon. A proposta baseia-se no desenvolvimento de uma linha ferroviária onde circulará um bullet train, um comboio de alta velocidade, num investimento que deverá custar 15 mil milhões de dólares (12,7 mil milhões de euros), de acordo com o Dallas Business Journal. Se for aprovado pela cidade, a linha com quase 400 quilómetros vai ligar Houston a Dallas em apenas 90 minutos.

Prevê-se que a linha comece a ser construída no final do próximo ano.

Dallas, Texas

Aproveitamento da localização do antigo Valley View Mall

Mais uma proposta para a terceira maior cidade norte-americana. Desta vez, três developers propuseram que a nova sede se mudasse para a antiga localização do quase inexistente centro comercial Valley View Mall. A proposta para a sede da Amazon inclui a construção de um prédio de escritórios, num espaço de 500 mil metros quadrados.

Criado em 2000, começou a ser demolido em junho deste ano para dar lugar ao Dallas Midtown, um investimento de quatro mil milhões de dólares (3,4 mil milhões de euros) que se transformará em 174 hectares de comércio, escritórios, um hotel e ainda um parque urbano quatro vezes maior do que o gigante e famoso Klyde Warren Park.

Phoenix, Arizona

Mais um aproveitamento de um centro comercial

De Phoenix chega mais uma proposta de reaproveitamento de um centro comercial. O Park Central foi o primeiro centro comercial da cidade, inaugurado na década de 1950. Alguns anos depois várias lojas foram fechando, restando hoje um Starbucks, alguns restaurantes e uns escritórios. O projeto passa pela implementação do HQ2 nas antigas instalações do shopping, que terá o nome de Park Central Mall.

Jersey City, Nova Jersey

Sete mil milhões de dólares em incentivos fiscais

No início deste mês, o governador de New Jersey disse que ofereceria alguns benefícios fiscais no valor de sete mil milhões de dólares (5,9 mil milhões de euros) se a Amazon elegesse a cidade para receber a nova sede, na próxima década. O plano inclui um programa de subsídios e alguns incentivos económicos para empresas que, tal como a Amazon, “lancem projetos inovadores”.

A proposta visa aumentar o valor de subsídios entre os cinco mil e os dez mil dólares (8,5 mil euros) por cada posto de trabalho que a Amazon crie e o governador prevê que a lei seja assinada em meados de janeiro do próximo ano.

Memphis, Tennessee

60 mil milhões de dólares em incentivos ficais

A cidade de Memphis elevou a fasquia e ofereceu 60 mil milhões de dólares em incentivos fiscais à Amazon, caso seja a escolhida para receber a nova sede. O Conselho da cidade aprovou a proposta monetária a 3 de outubro.

Esta segunda-feira, ficou confirmado que a Amazon está à procura de incentivos fiscais para implementar em Memphis o seu centro de atendimento, que empregará mais de 600 pessoas, de acordo com documentos enviados ao EDGE (Economic Development Growth Engine for Memphis & Shelby County). A empresa de comércio eletrónico disse que vai construir um edifício numa área de 33 hectares, num investimento de 72,5 milhões de dólares (61,4 milhões de euros).

Frisco, Texas

A promessa de construir uma cidade governada pela Amazon

A cidade de Frisco, no Texas, enviou à Amazon uma proposta que promete tornar a parte da cidade que está por construir, com uma população de cerca de 160 mil habitantes espalhados por 160,5 quilómetros quadrados, num conjunto de empresas dominadas pela gigante do comércio eletrónico.

“Apenas 60% da nossa cidade está construída, então temos uma grande quantidade de área disponível, onde podemos construir e adequar [à Amazon]”, disse o presidente de Frisco, Jeff Cheney ao New York Times.

Stonecrest, Georgia

Uma cidade que promete mudar de nome em homenagem à Amazon

A cidade de Stonecrest ofereceu uma proposta bastante aliciante e com uma vantagem sobre as restantes. Ficou no ar a promessa de que, caso a Amazon escolha Stonecrest para instalar a nova sede HQ2, a cidade vai alterar o seu nome para Cidade da Amazon. No início deste mês, o Conselho Municipal votou 4-2 a favor da mudança de nome. A cidade prometeu ainda dedicar cerca de 140 hectares ao novo campus.

“Existem várias grandes cidades dos EUA que querem a Amazon, mas nenhuma tem a oportunidade de marca que estamos a oferecer”, disse Jason Lary.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quem dá mais pela nova sede da Amazon?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião