Os dez melhores livros de 2017, segundo a Amazon

  • ECO
  • 23 Setembro 2017

Os editores da Amazon elaboram uma lista dos dez melhores livros deste ano. E garantem que a lista é o "segundo melhor conselheiro" a seguir à recomendação de um amigo.

A Amazon – mais especificamente os seus editores – elaborou uma lista dos dez melhores livros deste ano. A empresa de e-commerce garante que se trata do segundo melhor conselheiro a seguir à recomendação de um amigo. Tome nota dos livros que a Amazon destaca em 2017.

10 – Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã

Com Homo Deus, Yuval Noah Harari dá seguimento ao seu best-seller Sapiens, que realiza uma retrospetiva de 70.000 anos sobre a evolução humana e histórica. Desta feita, Homo Deus será um olhar em frente face à época descrita em Sapiens. A pergunta de partida para o livro será: ‘Para onde vamos a partir daqui?’ e pretende explorar os sonhos e pesadelos que marcarão o século XXI (desde o vencer da morte à vida artificial).

9 – Fome: Uma Memória do (meu) Corpo

Descrito pelos editores da Amazon como um “livro de memórias brutalmente honesto e corajoso”, esta obra reconta como uma violação sexual infantil levou a vítima a ganhar peso de forma a não ser vista e sentir-se segura. Trata-se de uma história que visa apelar à consideração pelo corpo dos outros e à aceitação do próprio.

8 – A Fortaleza Impossível

Este livro retrata a história de como um rapaz geek de 14 anos finge seduzir uma rapariga para conseguir uma cópia da Playboy, mas acaba por descobrir que ela é a sua alma gémea. De acordo com os editores é “um daqueles livros raros e especiais” que, assim que termina, desperta de imediato o desejo de que todos os amigos o leiam.

7 – Lincoln no Bardo

Recuando à data de 1862, num cemitério onde Willie – o filho do presidente norte-americano Abraham Lincoln – foi sepultado, este livro foi essencialmente escolhido pela forma como irá levantar as expectativas do leitor e despertar gargalhadas nos momentos em que não estará a chorar. A história é contada numa só noite através de diversas vozes.

6 – Não Tens de Dizer que me Amas

Neste livro de memórias familiares, Sherman Alexie estabelece a ligação – com humor e angústia – da vida problemática da sua mãe à época de opressão e violência sofridas por grande parte da comunidade dos índios americanos.

5 – Priestdaddy

Quando Patricia Lockwood se muda temporariamente de volta para casa dos seus pais – o pai, um padre católico que adora guitarras elétricas, e a mãe, focada em desastres e seguidores do demónio -, volta também a memórias da sua infância. Os editores da Amazon garantem que a linguagem poeticamente precisa e as observações com um toque de humor negro irão levar o leitor a repensar os seus ensinamentos de criança.

4 – Saída Oeste

No romance futurístico de Moshin Hamid, dois jovens apaixonados fogem da guerra no Médio Oriente em busca de segurança no Ocidente, onde cidades como Londres veem os refugiados constituírem autênticos aglomerados populacionais. O autor do livro diz que, até certo ponto, somos todos refugiados, sendo fácil simpatizar com os protagonistas.

3 – Beartown

Beartown trata-se de um romance que traça o cenário de uma pequena cidade fanática por hóquei que foi abalada na sua fé e esperanças por um crime que a população recusa aceitar que aconteceu. O acontecimento trágico decorre da importância da modalidade com o estado em que a cidade se encontra.

2 – Assassinos da Lua Flor: Os Homicídios Osage e o Nascimento do FBI

Esta é a história sobre petróleo e assassínio em massa na Reserva Indiana Osage. Contada por Dacid Grann e remontando a 1920, é descrita pelos editores da Amazon como simultaneamente isenta de surpresas e inacreditável, assim como cheia de arrogância e desumanidade – algo que, afirmam, ainda está por superar na nossa sociedade.

1 – O Ministério da Felicidade Suprema

O Ministério da Felicidade Suprema é um romance que conta a história que atravessa vários cenários sociais na Índia com personagens cujas almas vieram a ser abaladas pela tragédia e remendadas pelo amor. É, na opinião dos elaboradores desta lista, “um trabalho excecional de storytelling“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os dez melhores livros de 2017, segundo a Amazon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião