Exclusivo Pedro Siza Vieira, o novo ministro Adjunto: “Temos um Governo fragilizado”

Amigo de Costa há décadas, já tinha estado ao "serviço" do primeiro-ministro. Pedro Siza Vieira está "motivado", mas admite que o país "está devastado" e "o Governo fragilizado".

“Estive 30 anos a servir os meus clientes, agora vou servir o meu país”. As palavras são de Pedro Siza Vieira, 52 anos, o novo ministro-adjunto de António Costa, em declarações ao ECO. O sócio da Linklaters, advogado há quase 30 anos, diz que está “motivado” e que só assim poderia aceitar o convite que recebeu do chefe de Governo e seu amigo de longa data, dos tempos da Faculdade de direito de Lisboa.

“Tive apenas umas horas para dar uma resposta”. Por isso, admite ao ECO, ainda nem teve tempo para pensar ou escolher os seus secretários de Estado. “Claro que estou motivado. Temos um país devastado, o Estado falhou e temos um Governo fragilizado. Só aceitaria este cargo estando motivado. Por isso claro que estou motivado”.

Pedro Siza Vieira foi o advogado a quem a ainda Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, recorreu quando precisou de um parecer jurídico para analisar o contrato com a SIRESP, logo após a tragédia de Pedrógão Grande.

Pedro Siza Vieira trabalhou para o consórcio Atlantic Gateway precisamente no processo de privatização da TAP e esteve envolvido no dossiê Oitante, sociedade que ficou com os ativos tóxicos do Banif. Tem uma larga experiência em direito público, arbitragem comercial, PPP e concessões.

Claro que estou motivado. Temos um país devastado, o Estado falhou e temos um Governo fragilizado. Só aceitaria este cargo estando motivado. Por isso claro que estou motivado.

Pedro Siza Vieira

Está na Linklaters desde 2002. Antes disso, esteve na Morais Leitão, Galvão Teles e Associados. Foi conselheiro legal na Câmara Municipal de Lisboa, tendo ainda sido conselheiro do governador de Macau. É ainda professor na Faculdade de Direito da Universidade Católica em Lisboa e presidente da Associação Portuguesa de Arbitragem.

Já tinha sido ouvido o seu nome para ministro da Economia, para substituição de Caldeira Cabral, mas essa hipótese nunca se chegou a concretizar.

Integrou a Estrutura de Missão para a capitalização das empresas e integrava ainda dois grupos de trabalho (reforma da supervisão financeira e soluções para o crédito malparado).

É casado com Cristina Siza Vieira, presidente da Associação da Hotelaria de Portugal e tem três filhos. Foi nos anos 80 que conheceu António Costa, um ano mais velho que Siza Vieira.

Atualmente é ainda membro da Comissão de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional. Entre 2000 e 2006, foi membro do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais e também da Associação das Sociedades de Advogados de Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Siza Vieira, o novo ministro Adjunto: “Temos um Governo fragilizado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião