Netflix recorre à dívida para financiar novas séries

A empresa vai emitir 1,6 mil milhões de dólares de dívida para conseguir financiar a produção de novos conteúdos originais, o principal fator de crescimento do número de subscritores.

A Netflix vai recorrer ao mercado de dívida para obter um financiamento de 1,6 mil milhões de dólares (1,36 mil milhões de euros) que utilizará para investir em novas séries. Este valor representa apenas uma pequena parte daquilo que a empresa já anunciou que pretende gastar no próximo ano.

A empresa norte-americana está no mercado para colocar obrigações junto de investidores, procurando utilizar o dinheiro obtido com estes títulos no desenvolvimento do que tem sido o principal fator do aumento do número de subscritores: séries originais. Os termos do acordo serão definidos com os futuros compradores da dívida.

Esta decisão surge depois de a Netflix ter anunciado que pretende gastar entre sete a oito mil milhões de dólares (entre oito a nove mil milhões de euros) em novos conteúdos durante o próximo ano de 2018. A empresa pretende aumentar o valor que está a gastar com esses conteúdos originais. E exclusivos.

Para a marca, as séries originais são o principal fator de crescimento do número de subscritores do serviço, daí a empresa alegar que faz todo o sentido investir ainda mais nessa área. Ao oferecer séries originais na língua nativa de um determinado país, a Netflix consegue infiltrar-se em vários mercados emergentes, como é o caso do Brasil.

No terceiro trimestre de ano, a Netflix conseguiu atrair mais subscritores do que aqueles que estava à espera, exatamente mais um milhão acima da previsão. O número subiu 5,3 milhões para 109,3 milhões de subscritores, o que representa um aumento de 29% desde o início do ano. Quanto ao quarto trimestre, a Netflix estima que se mantenha este crescimento: 6,3 milhões nesse período, mesmo depois de o preço da subscrição mensal ter aumentado em vários mercados. Este ano, as ações da empresa acumulam uma valorização de 52,24%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Netflix recorre à dívida para financiar novas séries

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião