Disney aposta no streaming. Diz adeus à Netflix

  • Juliana Nogueira Santos
  • 9 Agosto 2017

A produtora vai disponibilizar os seus conteúdos numa plataforma própria. deixando para trás o acordo com a Netflix.

O conto de fadas acabou para a Netflix. A Walt Disney anunciou que vai criar o seu próprio serviço de streaming entre 2018 e 2019 para agregar todos os conteúdos das suas marcas — Disney e ESPN –, terminando assim o acordo com a Netflix. Assim, a produtora de conteúdos vai deixar de disponibilizar os novos lançamentos na plataforma mais popular a partir de 2019.

A decisão vem no seguimento da aquisição de uma posição maioritária na BAMTech, uma empresa líder em tecnologias de streaming e serviços de marketing. A produtora liderada por Robert Iger já detinha 33% da BAMTech, tendo agora comprado mais 42% por 1,58 mil milhões de dólares.

"Com esta mudança estratégica, a Disney vai terminar o acordo de distribuição com a Netflix para streaming por subscrição de novos lançamentos, a começar em 2019.”

Walt Disney

Os planos incluem o lançamento, em 2018, de uma plataforma de streaming só para os conteúdos desportivos da ESPN, agregando aí mais de 10 mil eventos desportivos, incluindo basebol, hockey, futebol e ténis. Em 2019 surgirá a plataforma para os conteúdos da Disney, com os todos filmes de animação e de ação da Disney e da Pixar e as séries do Disney Channel, Disney Junior e Disney XD.

“Com esta mudança estratégica, a Disney vai terminar o acordo de distribuição com a Netflix para streaming por subscrição de novos lançamentos, a começar em 2019″, pode ler-se no comunicado divulgado pela Walt Disney.

Clientes da Netflix não precisam de ter pressa

Citado pela Bloomberg, um executivo da Netflix afirmou que os conteúdos da Pixar e da Disney equivalem a 30% de todas as visualizações da plataforma de streaming nos EUA. Ainda assim, este ‘divórcio’ não é uma catástrofe para a Netflix: para além de já ter perdido conteúdos de produtoras como a Sony, a Paramount, a MGM e a Lions Gate e, mesmo assim, ter continuado a expandir a carteira de subscritores, a plataforma só passou a disponibilizar as séries e filmes da Disney no ano passado.

E para aqueles que ainda não têm os filmes e séries em dia, a Netflix afirma não haver razões para pressas: “Os membros da Netflix vão continuar a ter acesso aos filmes da Disney até ao fim de 2019, incluindo todos exibidos nos cinemas até ao fim de 2018”, confirmou a Netflix à Bloomberg. “Vamos continuar a fazer negócio com a Walt Disney Company, incluindo a nossa relação vigente com a Marvel TV”.

No final do ano passado surgiram alguns rumores de que a Disney estaria interessada em comprar a Netflix, contudo, e com a produtora a registar um aumento dos lucros no primeiro semestre deste ano, a estratégia passa a ser a da distribuição própria.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Disney aposta no streaming. Diz adeus à Netflix

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião