Importações sobem mais que exportações. Défice ultrapassa mil milhões em junho

O défice da balança comercial voltou a aumentar em junho deste ano, ultrapassando os mil milhões de euros. No conjunto dos seis primeiros meses do ano, o défice comercial ascende a 6,3 mil milhões.

As exportações de bens aumentaram 12,2% no primeiro semestre deste ano, um crescimento que ficou aquém da evolução das importações, que avançaram 14,5% neste período.

Ao todo, segundo os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), Portugal vendeu um total de 27,8 mil milhões de euros em bens para o exterior, no conjunto dos seis primeiros meses do ano. Por outro lado, as importações totalizavam 34,1 mil milhões de euros no final do primeiro semestre.

Considerando apenas o mês de junho, as exportações totalizaram 4,77 mil milhões, uma subida homóloga de 6,8%, enquanto as importações subiram 7,1%, para 5,77 mil milhões.

A contribuir para estes aumentos esteve, sobretudo a categoria de combustíveis e lubrificantes. Neste setor, as exportações aumentaram 27% no trimestre terminado em junho, enquanto as importações dispararam 36,8% nesse mesmo período. Assim, excluindo esta categoria, as exportações teriam totalizado apenas 25,8 mil milhões de euros no primeiro semestre e as importações cairiam para pouco mais de 30 mil milhões.

Feitas as contas, aponta o INE, o défice da balança comercial de bens ultrapassou os mil milhões de euros em junho de 2017, o que representa um aumento de 80 milhões de euros face ao mesmo mês do ano passado. Já no conjunto dos seis primeiros meses do ano, o défice comercial ultrapassa os 6,3 mil milhões de euros.

Angola foi o país para onde as exportações portuguesas mais aumentaram. No trimestre terminado em junho, as exportações para Angola dispararam 45,7%, totalizando 427 milhões de euros. As vendas para os Países Baixos e Marrocos também apresentaram aumentos expressivos neste período, de 24,9% e 24,2%, respetivamente.

Já as importações aumentaram, sobretudo, com as compras à China (mais 19,4%) e a Itália (um aumento de 16,4%).

Notícia atualizada às 11h34 com mais informação.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Importações sobem mais que exportações. Défice ultrapassa mil milhões em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião