Sonae responde à queixa-crime da Altice: “Não nos deixaremos intimidar”

A Sonae, liderada por Paulo Azevedo, garante que: "não se deixa intimidar, mesmo quando é usado o ataque pessoal com a intenção de nos condicionar", respondendo assim à queixa-crime da Altice.

A Sonae, liderada por Paulo Azevedo responde à Altice, que ainda esta manhã anunciou que vai apresentar uma queixa-crime contra o presidente do grupo nortenho. Diz que “continuará a indignar-se” quando vê serem dadas condições para negócios danosos do interesse público, sublinhando que “não se deixa intimidar”.

“A Sonae não abdica das suas convicções e dos seus argumentos e continuará a indignar-se, quando, por ação ou inação, se criam as condições para que possam acontecer graves danos do nosso interesse público. Não nos deixaremos intimidar mesmo quando é usado o ataque pessoal com a intenção de nos condicionar, num reflexo do que é já o modo como a liberdade de opinião e de expressão de um receio cívico poderão vir a ser postas em causa”, pode ler-se no comunicado enviado ao ECO.

A Altice, como o ECO escreveu em primeira mão esta manhã, vai avançar com uma queixa-crime contra Paulo Azevedo depois de este ter dito que a compra da TVI pela Altice pode criar uma “Operação Marquês” dez vezes maior.

A dona da PT adianta que “não aceitará que terceiros façam declarações ou insinuações difamatórias relativamente a si ou à sua relação com reguladores, independentemente da posição ou poder desses terceiros“.

A polémica estalou depois de Paulo Azevedo, em declarações escritas à Lusa, na passada sexta-feira, ter mostrado a sua indignação com a falta de consenso no parecer da ERC sobre a operação da compra da dona da TVI pela proprietária da PT/Meo, permitindo que o negócio avance.

O chairman da Sonae disse ainda que “acredita que esta não decisão [de Carlos Magno] carece de sustentação legal”. “Sinto o dever de dizer bem alto que estamos a assistir a uma tentativa de deixar passar uma operação que provocará um grave e perigoso enfraquecimento da resiliência e qualidade da nossa sociedade“, frisou.

As declarações de Paulo Azevedo surgiram depois de a Nos ter considerado “incompreensível” e “insustentável” que a ERC não tenha chegado a um acordo sobre o negócio da compra da TVI pelo Meo, o que viabilizou a passagem da operação pelo crivo deste regulador.

A Altice, por seu turno, fala num movimento de pressão por parte da Nos “inadmissível num mercado maduro de um país europeu”.

(Notícia atualizada às 16:30 com mais informação)

 

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae responde à queixa-crime da Altice: “Não nos deixaremos intimidar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião