ADSE propõe consultas mais caras a partir de 1 de janeiro

  • Marta Santos Silva
  • 27 Outubro 2017

A proposta da direção da ADSE agrava as tabelas de preços, e mas os representantes dos beneficiários não estão satisfeitos. O objetivo é, em parte, reduzir as fraudes de prestadores de serviços.

A ADSE propôs, num documento enviado aos membros do Conselho Geral e de Supervisão da entidade, que a partir de 1 de janeiro sejam atualizados os preços das consultas pagos pelos beneficiários para ficarem mais caros. O dirigente da instituição, Carlos Liberato Batista, defende no documento que o aumento de preços servirá, em parte, para combater as fraudes que prejudicam tanto a ADSE como os beneficiários, e também para procurar alargar a rede. Os representantes dos beneficiários não estão satisfeitos com a proposta.

A proposta da ADSE, o subsistema de saúde dos funcionários públicos, é de que as consultas de clínica geral e de especialidade aumentem de preço para o beneficiário em 1,51 euros e 1,01 euros respetivamente, o que fará com que ambas passem a custar cerca de cinco euros.

A própria ADSE também passaria a pagar mais por cada um desses atos: na consulta de clínica geral passaria a pagar mais 4,03 euros e na de especialidade mais 0,53 euros.

Qual o objetivo de aumentar estes custos? A ideia, explica o documento, é em parte combater a fraude — nos casos em que “muitas das entidades convencionadas” praticam “clara sobrefaturação fraudulenta com o objetivo de valorizar financeiramente o ato praticado”, visto o acordo com a ADSE garantir pagamentos baixos, o que “acaba por prejudicar claramente o beneficiário e a própria ADSE.

Outro dos objetivos é procurar expandir a rede convencionada, visto que se verifica “a recusa dos prestadores mais experientes em fazerem parte” com os preços baixos, em especial na medicina dentária. Nessa especialidade, “na maioria das situações da atual tabela, os preços praticados pela ADSE ficam abaixo do preço de custo do respetivo ato”.

"Não podemos aceitar alterações nas tabelas que onerem ainda mais os beneficiários, como já pagamos 3,5% dos salários.”

José Abraão

Dirigente da Fesap

No entanto, os representantes dos trabalhadores no Conselho Geral e de Supervisão do organismo não estão satisfeitos com a proposta. José Abraão, dirigente do sindicato dos funcionários públicos Fesap, disse ao ECO que o aumento é “incompreensível”.

“Não podemos aceitar alterações nas tabelas que onerem ainda mais os beneficiários, como já pagamos 3,5% dos salários” como contribuição para a ADSE, explicou. “Continuamos a exigir uma redução da contribuição”. Uma redução nesse sentido poderia abrir espaço de negociação para outras áreas. “A outra componente que exigimos é que haja um reforço dos prestadores de serviços da ADSE. Tem de haver uma negociação dos contratos, admitindo podermos discutir e analisar eventuais ajustamentos naquilo que se paga aos convencionados, sejam médicos ou outras entidades, de maneira a que haja uma melhor rede no país, para que melhore a oferta também”, continuou o representante.

Ao Jornal de Negócios, Francisco Braz, um dos representantes eleitos pelos beneficiários disse que a proposta “não deverá avançar nestes termos”, já que a “maior parte” dos membros do Conselho Geral e de Supervisão se opõem a ela.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

ADSE propõe consultas mais caras a partir de 1 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião