ADSE propõe consultas mais caras a partir de 1 de janeiro

  • Marta Santos Silva
  • 27 Outubro 2017

A proposta da direção da ADSE agrava as tabelas de preços, e mas os representantes dos beneficiários não estão satisfeitos. O objetivo é, em parte, reduzir as fraudes de prestadores de serviços.

A ADSE propôs, num documento enviado aos membros do Conselho Geral e de Supervisão da entidade, que a partir de 1 de janeiro sejam atualizados os preços das consultas pagos pelos beneficiários para ficarem mais caros. O dirigente da instituição, Carlos Liberato Batista, defende no documento que o aumento de preços servirá, em parte, para combater as fraudes que prejudicam tanto a ADSE como os beneficiários, e também para procurar alargar a rede. Os representantes dos beneficiários não estão satisfeitos com a proposta.

A proposta da ADSE, o subsistema de saúde dos funcionários públicos, é de que as consultas de clínica geral e de especialidade aumentem de preço para o beneficiário em 1,51 euros e 1,01 euros respetivamente, o que fará com que ambas passem a custar cerca de cinco euros.

A própria ADSE também passaria a pagar mais por cada um desses atos: na consulta de clínica geral passaria a pagar mais 4,03 euros e na de especialidade mais 0,53 euros.

Qual o objetivo de aumentar estes custos? A ideia, explica o documento, é em parte combater a fraude — nos casos em que “muitas das entidades convencionadas” praticam “clara sobrefaturação fraudulenta com o objetivo de valorizar financeiramente o ato praticado”, visto o acordo com a ADSE garantir pagamentos baixos, o que “acaba por prejudicar claramente o beneficiário e a própria ADSE.

Outro dos objetivos é procurar expandir a rede convencionada, visto que se verifica “a recusa dos prestadores mais experientes em fazerem parte” com os preços baixos, em especial na medicina dentária. Nessa especialidade, “na maioria das situações da atual tabela, os preços praticados pela ADSE ficam abaixo do preço de custo do respetivo ato”.

"Não podemos aceitar alterações nas tabelas que onerem ainda mais os beneficiários, como já pagamos 3,5% dos salários.”

José Abraão

Dirigente da Fesap

No entanto, os representantes dos trabalhadores no Conselho Geral e de Supervisão do organismo não estão satisfeitos com a proposta. José Abraão, dirigente do sindicato dos funcionários públicos Fesap, disse ao ECO que o aumento é “incompreensível”.

“Não podemos aceitar alterações nas tabelas que onerem ainda mais os beneficiários, como já pagamos 3,5% dos salários” como contribuição para a ADSE, explicou. “Continuamos a exigir uma redução da contribuição”. Uma redução nesse sentido poderia abrir espaço de negociação para outras áreas. “A outra componente que exigimos é que haja um reforço dos prestadores de serviços da ADSE. Tem de haver uma negociação dos contratos, admitindo podermos discutir e analisar eventuais ajustamentos naquilo que se paga aos convencionados, sejam médicos ou outras entidades, de maneira a que haja uma melhor rede no país, para que melhore a oferta também”, continuou o representante.

Ao Jornal de Negócios, Francisco Braz, um dos representantes eleitos pelos beneficiários disse que a proposta “não deverá avançar nestes termos”, já que a “maior parte” dos membros do Conselho Geral e de Supervisão se opõem a ela.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ADSE propõe consultas mais caras a partir de 1 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião