Brent acima dos 60 dólares pela primeira vez em dois anos

  • ECO
  • 27 Outubro 2017

O Brent atingiu máximos de dois anos. Superou a fasquia dos 60 dólares perante a perspetiva de prolongamento dos cortes de produção por parte da OPEP.

O petróleo está a valorizar nos mercados internacionais, superando a fasquia dos 60 dólares pela primeira vez em dois anos. O travão à produção por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), mas também a instabilidade entre o Iraque e os curdos, levaram o Brent a superar a marca que já não era alcançada desde o verão de 2015.

O Brent está a valorizar 1,48%, uma subida que o coloca nos 60,31 dólares por barril, tendo chegado ao máximo de julho de 2015 nos 60,53 dólares. Quanto ao referencial para os EUA, o West Texas Intermediate, regista-se uma subida de 2,01% para os 53,73 dólares.

Um porta-voz norte-americano americano confirmou, esta semana, que o cessar-fogo entre curdos e iraquianos não tinha sido conseguido, o que veio fazer aumentar os receios dos investidores de quebra na oferta da matéria-prima.

Ao mesmo tempo, segundo a Bloomberg, a puxar pelas cotações do petróleo está também a perspetiva de manutenção do corte da produção por parte da OPEP, isto depois do príncipe da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, ter afirmado que apoia um prolongamento do travão que visa reequilibrar o mercado, puxando pelas cotações.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Brent acima dos 60 dólares pela primeira vez em dois anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião