Incêndios: Estado abre contratações por ajuste direto

  • Lusa
  • 30 Outubro 2017

A medida, proposta em Conselho de Ministros, foi aprovada esta segunda-feira pelo Presidente da República.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta segunda-feira o diploma aprovado pelo Governo com medidas excecionais de contratação pública por ajuste direto relacionadas com os danos causados pelos incêndios deste mês.

Numa mensagem divulgada na página da Presidência da República são anunciadas três promulgações de diplomas do Governo, uma das quais relativa a uma das medidas aprovadas no Conselho de Ministros extraordinário de 21 de outubro, a propósito dos incêndios trágicos deste ano.

Na nota é referido que foi promulgado o “diploma que estabelece as medidas excecionais de contratação pública por ajuste direto relacionadas com os danos causados pelos incêndios florestais ocorridos em outubro de 2017 nos distritos de Aveiro, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Lisboa, Porto, Santarém, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu”.

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou ainda o diploma, aprovado em Conselho de Ministros em 21 de setembro, que altera a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens, que, de acordo com o Governo, visa “garantir condições de operacionalidade, para o futuro, aos órgãos da instituição”.

“O presente diploma vem resolver alguns constrangimentos ao nível da operacionalidade dos órgãos da instituição, nomeadamente no que respeita à harmonização dos cargos de presidente e de vice-presidente com o regime constante do Estatuto do Pessoal Dirigente dos Serviços e Organismos da Administração Pública”, referia o comunicado do Conselho de Ministros de setembro.

O Presidente da República deu ainda luz verde ao diploma do executivo que assegura a execução na ordem jurídica interna das obrigações decorrentes de um regulamento europeu “relativo à disponibilização no mercado e à utilização de produtos biocidas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Estado abre contratações por ajuste direto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião