“O Governo tem menos de dois anos para resolver o problema” dos incêndios, diz Marcelo

  • Lusa
  • 28 Outubro 2017

"O Governo e este parlamento só duram agora mais um ano e dez meses, têm de resolver o problema", afirmou o Presidente da República em conversa com um açoriano, no mercado em Ponta Delgada.

O Presidente da República prometeu este sábado, em conversa com um açoriano num mercado, que não largará as regiões afetadas pelos incêndios e referiu já ter avisado que “o Governo tem menos de dois anos para resolver o problema”.

“Eu agora vou lá daqui a uns dias outra vez, e depois volto lá no final de novembro. Depois vou passar o Natal, quer em Pedrógão, quer na zona agora ardida — aí provavelmente o fim do ano. Portanto, eu não largo. Eu já disse o seguinte: o Governo tem menos de dois anos para resolver o problema”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado teve esta conversa no mercado da Graça, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, onde andou quase uma hora, sempre rodeado de gente, a quem distribuiu beijos, abraços, apertos de mão e fotografias, numa visita acompanhada pelo presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro.

No final do percurso pelo mercado, o Presidente da República foi abordado por um homem que lhe fez um pedido: “O senhor não se canse de ir lá ter com aquela gente, os nossos amigos que têm sofrido com os fogos”.

“Não, estou lá sempre, sempre”, respondeu-lhe Marcelo Rebelo de Sousa. “Eu nem imagino. Deus o abençoe”, declarou o açoriano.

Depois, o Presidente da República referiu que já avisou que só há “dois anos para resolver o problema”, e acentuou que o tempo é pouco: “O Governo e este parlamento só duram agora mais um ano e dez meses, têm de resolver o problema”.

“Deus lhe dê saúde”, retorquiu o homem.

Comentários ({{ total }})

“O Governo tem menos de dois anos para resolver o problema” dos incêndios, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião