Zonas turísticas afetadas pelos fogos vão ter apoio de 60 milhões

As empresas afetadas diretamente pelos incêndios terão ainda direito a ficar isentas de contribuições para a Segurança Social durante seis meses.

O Governo decidiu duplicar o orçamento do Programa Valorizar, que financia a dinamização do turismo no interior, para apoiar as zonas afetadas pelos incêndios da semana passada a retomarem a atividade turística. O programa passa, assim, a contar com 60 milhões de euros.

“Em resposta aos incêndios registados na zona Centro na passada semana e tendo em conta a dimensão dos prejuízos sentidos pelos empresários da região, o Governo deliberou avançar com um conjunto de medidas que visam apoiar a reposição da atividade turística e apoiar os empresários afetados, de modo a contribuir para um rápido restabelecimento da atividade na região“, refere a Secretaria de Estado do Turismo, em comunicado enviado às redações.

Para além de aumentar o orçamento do Programa Valorizar de 30 para 60 milhões de euros, o Governo vai também ativar a Linha de Apoio à Tesouraria, “para fazer face a situações de quebras de reservas e de necessidade de fundo de maneio”. Esta linha é atribuída diretamente pelo Turismo de Portugal, não sendo necessário recorrer à banca. Será ainda criada uma linha de apoio específica para equipamentos danificados pelos incêndios e desenvolvidas ações especiais para promover os territórios danificados.

Além disso, as empresas e trabalhadores independentes cuja atividade tenha sido diretamente afetada pelos incêndios ficarão isentos do pagamento das contribuições para a Segurança Social durante seis meses. “No caso específico do turismo, também as empresas que tenham sido indiretamente afetadas pelos incêndios têm um período de seis meses de diferimento no pagamento de contribuições à Segurança Social”, acrescenta o comunicado.

O Governo decidiu ainda criar uma equipa especializada para operacionalizar o desenvolvimento e a promoção turística dos territórios de baixa densidade e para acelerar a implementação dos projetos em curso.

As empresas e trabalhadores independentes interessados em beneficiar destas medidas poderão informar-se junto do Turismo de Portugal, através da linha de apoio ao empresário (808 209 209). Serão também realizadas reuniões no terreno para esclarecimentos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zonas turísticas afetadas pelos fogos vão ter apoio de 60 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião