Incêndios: Altice vai enterrar cabos de rede sob as estradas

  • Marta Santos Silva
  • 21 Outubro 2017

A Altice/PT e a Infraestruturas de Portugal EP celebraram um protocolo para avançar com o enterramento dos cabos de rede na região dos fogos de Pedrógão, e mais tarde em todo o país.

A Altice/PT anunciou este sábado que celebrou um protocolo com a Infraestruturas de Portugal EP para enterrar os cabos de comunicação de rede na zona dos incêndios de junho que deflagraram em Pedrógão Grande e nas regiões circundantes, segundo um comunicado enviado este sábado às redações. Os cabos deverão ser colocados debaixo dos eixos rodoviários, “na extensão possível naquela região”.

Depois disso, a Altice/PT espera ainda avançar, dentro do mesmo protocolo com a Estradas de Portugal, integrada na Infraestruturas de Portugal, para vir a estender este modelo a outras regiões com igual risco de incêndio, “numa extensão que poderá ir até aos 1.000 quilómetros de Canal Técnico Rodoviário e num horizonte temporal até 2019″.

“Esta é uma parceria que as duas entidades – Altice/PT e Infraestruturas de Portugal EP – entendem ser relevante no combate contra os impactos causados pelos incêndios”, lê-se no comunicado, “constituindo uma solução que permite contribuir e reforçar as medidas e meios de resposta de emergência e de prevenção, em particular quanto às redes e serviços de comunicações eletrónicas”.

O Governo informara, após os incêndios de junho, que era “essencial garantir a utilização de infraestruturas subterrâneas” para as comunicações, que falharam na região na altura dos fogos.

“Nas últimas semanas, a Altice/PT e a Infraestruturas de Portugal EP (IP), promoveram a realização de um levantamento exaustivo de todas as infraestruturas aptas a alojar elementos de rede naquela área”, lê-se no texto enviado, “bem como uma análise técnica detalhada dos trabalhos de construção e adaptação a realizar para atingir aquele objetivo, de onde resulta o investimento a realizar pela Altice/PT, que nesta fase cobrirá uma extensão de 265 Km de condutas, na Região do Pinhal Interior”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Altice vai enterrar cabos de rede sob as estradas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião