Preço do azeite vai aumentar por causa dos incêndios

Mais de metade do olival tradicional ardeu com os fogos deste fim de semana. O preço vai subir garante a CNA, ao ECO. Ministro da Agricultura anuncia novas medidas de apoio aos agricultores.

A Confederação Nacional da Agricultura diz que o preço do azeite vai subir por causa dos incêndios. Mas esta não será a única consequência nefasta — a produção de Queijo da Serra vai ficar comprometida tendo em conta os milhares de ovelhas que morreram, reconheceu o ministro da Agricultura.

“Os olivais mais tradicionais da região centro, os não intensivos ou super intensivos, regados gota-a-gota, arderam. Não exagero se disser que ardeu mais de metade”, sublinhou ao ECO João Dinis. O dirigente da CNA, também ele afetado pelo “ciclone de fogo que por ali passou”, lembra que “a azeitona já vinha a definhar com a seca, embora até houvesse uma colheita promissora”.

“Tendo em conta que era de esperar menos produção já se esperava um aumento do preço”, disse. E se agora haverá mais mercado para o azeite proveniente dos olivais intensivos — são cerca de 100 mil hectares no sul do país — que é mais barato face ao produzido nos olivais mais tradicionais, a tendência será de aproveitar a dinâmica de subida dos preços. “Até esse vai subir, aproveitando a embalagem para aumentar o preço”, defende João Dinis.

O dirigente da CNA acrescenta ainda que nesta equação é preciso ainda acrescentar dois vetores: o aumento das importações de azeite e “as traficâncias para aumentar a quantidade de stock, numa referência às práticas menos leais de acrescentar outras substâncias ao azeite.

O responsável admite que em dois ou três anos o olival do planalto beirão até já possa estar renovado — uma renovação que até já era necessária –, mas os agricultores vão sofrer muito até lá e por isso pede que ao ministro da Agricultura que tenha em conta a “área brutal e inconcebível” que ardeu no centro e norte do país. Pelas suas estimativas, só na região centro os prejuízos devem superar os cinco mil milhões de euros. “O fogo ganhou vida própria e vontade própria. Na sua voracidade comeu tudo”, concluiu.

Ministro promete novos apoios aos agricultores

Luís Capoulas Santos anunciou esta quinta-feira novos apoios para os agricultores de 44 municípios de dez distritos do país.

“Todas as explorações que tiveram prejuízos superiores a 30% daquilo a que chamamos o potencial produtivo, máquinas destruídas, alfaias, motores de rega, estábulos, equipamentos, animais que morreram e culturas permanentes” vão poder beneficiar de um apoio financeiro que será atribuídos através de um concurso que terá início depois do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) determinar o perímetro das áreas atingidas pelo incêndio.

“Para os primeiros cinco mil [candidatos], que tenham prejuízos superiores a 80%, esse pagamento será de 100%, até um montante de cinco mil euros, [a partir daí] iremos atribuir 50% das despesas com os materiais e equipamentos que foram destruídos”, explicou, numa conferência de imprensa transmitida pela RTP3.

Além disso, o ministro avançou que serão disponibilizados 15 milhões de euros do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR2020) para a estabilização de emergência, ou seja, ações que visam minimizar os riscos da erosão, da contaminação das linhas de água e dos declives. Este montante vai somar aos 13 milhões que já tinham sido alocados aos incêndios precedentes deste verão.

Capoulas Santos disse ainda que o Governo está a procurar soluções para poder atribuir apoios para a alimentação dos animais, estando em contacto com as fábricas de ração e com as confederações agrícolas e, neste capítulo, espera contar com a colaboração do exército. E a “avaliar as consequências na fileira do pinho porque as perdas foram de tal modo onerosas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço do azeite vai aumentar por causa dos incêndios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião