Onde vai chamar o canalizador? Na Fixando

  • Lusa
  • 30 Outubro 2017

A Fixando permite juntar vários profissionais desde serviços de reparações em casa até eventos na mesma plataforma. A startup criada em Portugal é uma das várias que estará presente no Web Summit.

A ‘startup’ portuguesa Fixando tem uma plataforma ‘online’ que permite aos cidadãos ter acesso a diversos serviços, como a fotografia ou a pichelaria, entre outros, que serão desempenhados por profissionais registados na empresa, simplificando o processo de contratação.

A empresa propõe-se simplificar o processo de contratação, porque, explica à Lusa o responsável, David Cordeiro, “cada vez que uma pessoa procura contratar um serviço, muitas vezes depara-se com um processo demoroso”. A ideia é “simplificar o processo que muitas vezes se torna complexo”, disse.

Para usufruir dos serviços disponíveis, o cliente final deve recorrer à plataforma ‘online’ e responder a questões predefinidas pelo ‘site’ acerca da prestabilidade que necessita e, em seguida, vai receber até cinco propostas de profissionais em, aproximadamente, 48 horas.

Este processo é totalmente gratuito para o consumidor final.

A missão da empresa para os prestadores de serviço é ajudar “pequenos empresários, os prestadores de serviços, pequenas empresas, ‘freelancers’ e empresários em nome individual” a encontrar novos clientes e a aumentar o volume de negócios, esclareceu o dirigente.

Os profissionais que se candidatam a prestar os serviços conseguem aceder à plataforma quando realizam um registo ‘online’ que lhes possibilita a angariação automática de 15 créditos gratuitos para que possam “testar a plataforma e enviar de cinco a sete propostas” de resolução dos serviços pedidos, disse o responsável em entrevista à Lusa.

Cada sugestão enviada ao cliente final tem um valor em créditos e, depois de terminados os 15 créditos oferecidos pela marca, o cliente profissional pode comprar um dos pacotes disponíveis pela empresa para continuar a aceder à plataforma e a fazer negócios.

Os pacotes vendidos são de 60, 100 e 200 créditos, sendo que, “quanto maior for o pacote, maiores serão as vantagens para os profissionais”, referiu David Cordeiro. O responsável pelo projeto afirmou que os créditos comprados pelos clientes profissionais são a “única forma que a Fixando tem para fazer receita”. A plataforma tem um sistema de ‘review’ e, no final do serviço, os clientes têm a opção de avaliar o profissional.

“Gera-se um sistema de meritocracia que vai premiar a longo prazo os profissionais que são melhores e que vão tendo avaliações mais positivas”, explicou David Cordeiro no centro de operações da empresa situado na capital portuguesa.

A plataforma tem enormes benefícios para os profissionais porque permite-lhes visualizar e enviar propostas no meio do seu dia de trabalho – ação conhecida pelo termo ‘on the go’.

A marca tem cerca de 100 pedidos de clientes por dia, o que resulta numa média de aproximadamente três mil pedidos mensais.

“Os profissionais estão-se a registar a um ritmo crescente e, neste momento, a plataforma conta já com mais de dois mil profissionais” registados, referiu o responsável à Lusa.

A empresa vai participar na cimeira da tecnologia, a Web Summit, com o objetivo de “aumentar a visibilidade, reforçar a marca e a presença no mercado”.

Por outro lado, a Fixando pretende “ter contactos com ‘stakeholders’ e acredita que estes intermediários possam ajudar a empresa a “escalar e a crescer”, nomeadamente as relações com os investidores e com os ‘media’”, reforçou o responsável.

A marca está em expansão desde o início da semana e, para além de estar a trabalhar em Portugal e na Alemanha, já se encontra em dois novos mercados – na Áustria e na Suíça.

A Web Summit realiza a segunda edição em Lisboa, de 6 a 9 de novembro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Onde vai chamar o canalizador? Na Fixando

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião