Quebra no correio afunda lucros dos CTT. Empresa corta dividendo

A quebra da entrega de correio endereçado afundou os lucros dos CTT para 19,5 milhões. A empresa vai cortar o dividendo e anunciar um plano de corte de custos.

Os CTT registaram lucros de 19,5 milhões de euros entre janeiro e setembro, uma quebra de 57% face ao mesmo período do ano passado. A justificar a quebra dos lucros está a diminuição de 6% do tráfego de correio endereçado, além de um nível de custos fixos demasiado elevado. A empresa vai cortar o dividendo a distribuir pelos acionistas em 20% e vai apresentar, até ao final deste ano, um plano de corte de custos.

Segundo a informação transmitida, esta terça-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os CTT fizeram, no conjunto dos nove primeiros meses do ano, um total de 555,4 milhões de entregas, o que corresponde a uma queda de 6,1% em relação ao ano passado. As receitas da empresa ascenderam a 518 milhões de euros, um número apenas ligeiramente abaixo dos 518,8 milhões que tinham sido registados no ano passado.

Já o EBITDA (resultado antes de lucros, impostos, depreciações e amortizações) caiu de 82,9 milhões para 59,3 milhões no final de setembro deste ano. A dívida líquida, por seu lado, ascendeu a 51 milhões de euros e os custos operacionais totalizaram 458,7 milhões de euros, mais 5,2% do que no ano passado.

A nota positiva vai para o Banco CTT, que aumentou os depósitos em 197%, para 540,4 milhões, enquanto as receitas se fixaram em 5,3 milhões. As receitas do Banco CTT ficaram abaixo do objetivo que a empresa tinha definido, mas esse aspeto foi “totalmente compensado” por custos mais baixos do que o planeado.

Feitas as contas, os CTT alcançaram lucros de 19,5 milhões de euros no final de setembro, quando, em setembro do ano passado, tinham lucros de 46 milhões de euros. Descontando o efeito de eventos não recorrentes, a quebra teria sido menor e os lucros dos CTT teriam ascendido a 32 milhões de euros.

Nesses “eventos não recorrentes” conta-se o fim do contrato com a Altice no final do ano passado. Este era um acordo que tinha sido assinado com a empresa de Patrick Drahi em novembro de 2014, quando a Altice estava na corrida pela compra da PT, e que previa o pagamento de 15 milhões de euros aos CTT, depois de a compra da Meo ficar concluída. Os CTT calculam que o fim deste contrato teve um impacto de 7,5 milhões nas contas deste ano.

Empresa vai cortar dividendo e custos

Para fazer face à quebra das receitas e ao aumento dos custos, os CTT vão cortar o dividendo a distribuir aos acionistas e vão apresentar um plano de reestruturação até ao final deste ano.

“A quebra de tráfego maior do que o esperado vai ter um impacto negativo sobre o EBITDA do conjunto do ano de 2017”, refere a empresa, no comunicado enviado à CMVM. Por outro lado, “o forte crescimento da base de clientes do segmento Express & Parcels e do Banco CTT coloca pressão sobre os custos dos CTT”.

Assim, a empresa adianta que “uma reestruturação considerável dos custos, para ajustar a escala de operações às atuais necessidades, está a ser preparada, para ser apresentada antes do final do ano“. Os CTT não adiantam, para já, mais detalhes sobre este plano de corte de custos.

Ao mesmo tempo, a empresa vai cortar o dividendo de 48 cêntimos por ação, que tinha sido decidido no início deste ano, para um dividendo de 38 cêntimos por ação.

Notícia atualizada às 18h22 com mais informação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quebra no correio afunda lucros dos CTT. Empresa corta dividendo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião