PS e BE selam acordo. Manuais até ao 9º ano vão ser grátis em Lisboa

  • ECO
  • 2 Novembro 2017

Fernando Medina garantiu maioria para governar câmara de Lisboa com acordo com Bloco de Esquerda. Entendimento prevê, entre outras medidas, a gratuitidade dos manuais para 2º e 3º ciclos.

Fernando Medina apertou a mão a Ricardo Robles e garantiu, assim, a maioria para governar a câmara de Lisboa. O acordo do PS com o BE traz como condições a gratuitidade imediata dos manuais escolares até ao terceiro ciclo, o alargamento do metropolitano à zona ocidental da capital e o avanço das quotas no alojamento local.

O entendimento será anunciado por Medina e Robles, esta quinta-feira, numa conferência de imprensa. O vereador bloquista deverá ficar com a pasta Educação, Saúde, Direitos Sociais e Cidadania.

Quanto à área da educação, no texto do acordo a que o Negócios teve acesso, garante-se a gratuitidade (por reembolso) dos manuais escolares, já no ano letivo de 2017/2018, para os alunos matriculados na escola pública no 2º e 3º ciclos. O alargamento aos estudantes do ensino secundário está previsto para o ano letivo de 2018/2019. “Na medida em que o Estado venha a assumir o financiamento dos manuais, a Câmara Municipal de Lisboa alargará este apoio às fichas de exercícios“, acrescenta ainda o documento.

No que diz respeito às quotas no alojamento local, cujo principal objetivo é proteger as zonas históricas da cidade, será lançado, de imediato, um “estudo técnico para definição de capacidades máximas de alojamento local por zona da cidade para assegurar a multifuncionalidade dos bairros, em particular, nas zonas históricas”.

Em terceiro lugar, na área da habitação, será criado um novo pilar no Programa Renda Acessível — financiado pelo Município ou em parceria com entidades públicas — que deverá abranger três mil fogos, até ao final do mandato.

O acordo com o bloquista assume particular importância para os socialistas, já que o PCP, que elegeu dois vereadores, recusou fazer parte do executivo camarário, relembra o Público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS e BE selam acordo. Manuais até ao 9º ano vão ser grátis em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião