Incêndios. São precisos 250 milhões para recuperar empresas de Viseu

  • Lusa
  • 3 Novembro 2017

Conselho Empresarial diz que Estado tem criar condições para o investimento para que a recuperação da capacidade produtiva de Viseu acelere. Apela também ao "impulso empreendedor" dos empresários.

A recuperação da capacidade produtiva das empresas da região de Viseu que foram afetadas pelos incêndios de outubro exige um investimento de 250 milhões de euros, estima o Conselho Empresarial.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o presidente do Conselho Empresarial da Região de Viseu (CERV), João Rebelo Cotta, refere que “é de todo o interesse que estas empresas iniciem o mais rápido possível a sua recuperação produtiva”.

“Tal exige que os empresários mantenham o impulso empreendedor e que o Estado crie as condições para incentivar o investimento, acelerar a recuperação e permitir que as medidas excecionais apresentadas pelo Governo sejam céleres e cheguem aos seus destinatários”, defende.

No entender do CERV, deveria ser “estruturado um programa de relançamento económico e social da região de Viseu que inclua as várias atividades económicas e que permita potenciar os meios destinados a este território”.

“Este plano de emergência e de recuperação económica passa por decisões céleres do Governo, pelo acionamento dos meios financeiros adequados e por uma estrutura próxima, em diálogo com as autarquias e associações empresariais”, propõe.

Segundo João Rebelo Cotta, o CERV está “disponível para colaborar com todas as entidades regionais e nacionais envolvidas nesta matéria, para que as medidas propostas pelo Governo sejam eficazes na sua implementação”.

Uma maior aposta na proteção e aproveitamento de todas as potencialidades da floresta, “através de medidas de gestão integrada, valorizando as ações que promovam as funções ecológicas, sociais e culturais dos espaços florestais, em articulação com a implementação de medidas de prevenção e gestão estratégicas de risco de incêndio”, é outra proposta que deixa.

O CERV contabilizou centenas de empresas “diretamente atingidas pelos incêndios, algumas com a destruição completa de fábricas e explorações agrícolas, pecuárias e agroindustriais”.

Trata-se de “um número significativo de empresas que viram a sua capacidade produtiva fortemente reduzida e, por conseguinte, um impacto social significativo, quer nos trabalhadores diretamente afetados, quer na economia regional e nacional”, acrescenta.

Na sua opinião, a situação de interioridade da região de Viseu “potencia ainda mais os impactos com a perda de empresas e os respetivos postos de trabalho”.

“Existe todo um ecossistema económico-social, local e regional que depende direta e indiretamente das empresas atingidas e dos seus trabalhadores”, alerta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios. São precisos 250 milhões para recuperar empresas de Viseu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião