Ex-gestores da Vodafone e da Oxy Capital criam “private equity”

  • ECO
  • 3 Novembro 2017

Antigos líderes da Oxy Capital e da Vodafone acabam de criar uma sociedade de investimentos, a Iberis, que dizem ter capacidade para abordar um grande números de transacções em Portugal e Espanha.

O seu foco são as pequenas e médias empresas. As suas áreas de atuação a indústria e a tecnologia. Luís Quaresma e João Henriques deixaram a Oxy Capital e a Vodafone, onde respetivamente eram sócio e CFO, para criarem a sua própria sociedade de investimentos, a Iberis.

“Trabalhámos juntos na Boston Consulting Group (BCG). Conhecemo-nos há muitos anos. Além de nós os dois, vamos ter um partner espanhol“, explicou João Henriques ao Jornal de Negócios (acesso pago). A Iberis, que tem sede em Lisboa e em breve abrirá escritórios em Madrid, tem, segundo os fundadores, “capacidade e flexibilidade para abordar desde já um grande conjunto de transações em Portugal e Espanha”.

O objetivo da sociedade é a realização de investimentos em “situações especiais e de expansão da atividade”. O modelo da Iberis baseia-se na colaboração com investidores e fundos de investimento (para as operações de maior dimensão) — com os quais os dois sócios têm laços de longa data. Além disso, de acordo com Luís Quaresma, esta private equity também investe ela própria nas operações.

Apesar da sua grande flexibilidade, esta sociedade não constitui para já um fundo de investimento. “A prazo abordaremos a constituição de um fundo de investimento formal, mas vemos este passo como um resultado e evolução natural no nosso trabalho com os nossos investidores”, avançou o ex-parceira da Oxy Capital.

Luís Quaresma foi, por quase seis anos, sócio da Oxy Capital, sociedade gestora de fundos de private equity em Portugal e Itália. Por outro lado, nos últimos cinco anos, João Henriques assumiu o cargo de administrador financeiro da Vodafone (primeiro, da delegação portuguesa e depois do grupo global).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-gestores da Vodafone e da Oxy Capital criam “private equity”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião