Carlos Manuel Mourato Nunes é o novo presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil

Audição da Comissão Nacional de Proteção Civil está agendada para amanhã às 12h00. Mourato Nunes vem assim ocupar o cargo de Joaquim Leitão, que apresentou a demissão no mesmo dia da ex-ministra.

Carlos Manuel Mourato Nunes é o novo presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil, anunciou este domingo, em comunicado, o ministro da Administração Interna.

“O ministro da Administração Interna vai agora desencadear os procedimentos tendo em vista a sua nomeação, concretamente a audição da Comissão Nacional de Proteção Civil, amanhã, dia 6 de novembro, pelas 12h00”, refere o mesmo comunicado enviado às redações.

O ministro da Administração Interna vai agora desencadear os procedimentos tendo em vista a sua nomeação, concretamente a audição da Comissão Nacional de Proteção Civil, amanhã, dia 6 de novembro, pelas 12h00.

Comunicado do ministro da Administração Interna

O tenente-general Carlos Manuel Mourato Nunes ao longo da sua carreira, “prestou serviço em várias unidades do Exército e nas Forças de Segurança”, e também “desempenhou cargos de direção de alto nível na Administração Pública”. Foi diretor do Instituto Geográfico do Exército, entre 1993 e 1999, e presidente do Instituto Geográfico Português, entre 2002 e 2003, altura em que foi promovido a tenente-general e assumiu as funções de Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana, até 2008, refere o comunicado.

No currículo do novo presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil está ainda uma licenciatura em Ciências Militares e Engenharia Geográfica e uma passagem pelo Instituto de Altos Estudos Militares, onde concluiu o Curso de Oficial General e o Curso Geral de Comando e Estado-Maior.

Carlos Manuel Mourato Nunes vem assim ocupar o cargo de Joaquim Leitão, que apresentou a demissão no mesmo dia que Constança Urbano de Sousa (a ex-ministra da Administração Interna, agora substituída por Eduardo Cabrita), apesar de a sua saída só ter sido conhecida no dia a seguir. O coronel Joaquim Leitão foi o responsável escolhido para substituir Grave Pereira na presidência da ANPC, em outubro de 2016. Grave Pereira demitiu-se por falta de confiança de Constança Urbano de Sousa, após ser conhecido o relatório da Inspeção Geral da Administração Interna que lhe apontou a violação do dever de zelo no processo de transferência dos helicópteros Kamov para a Everjets.

Segundo uma carta de despedida aos trabalhadores a que o Público (acesso condicionado) teve acesso, Joaquim Leitão lamentou o “tribunal da opinião pública” de que foi alvo. “Durante meses o tribunal da opinião pública julgou-nos de forma inclemente. O silêncio que a lealdade institucional nos obrigou acabou por nos sujeitar àquela provação. Portanto, considerei que bastava”, lê-se na carta, onde também diz carregar “a enorme mágoa destas tragédias”. “A história encarregar-se-á, com certeza, de mostrar aos vindouros que a realidade que fizeram crer ao grande público não é verdadeiramente real”, frisa.

Recorde-se que o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, determinou à Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) a realização de uma auditoria à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), na sequência dos incêndios de outubro de 2017, para apuramento de eventuais responsabilidades.

(Notícia atualizada às 18:06 com a carta de Joaquim Leitão)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Manuel Mourato Nunes é o novo presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião