Caldeira Cabral: Fogos não vão ter impacto no crescimento económico

O ministro da Economia revelou que o impacto dos danos dos fogos foi de 0,01% do PIB. E assegura que o PIB continua a crescer a 3% e que há empresas da Catalunha a quererem vir para Portugal.

O ministro da Economia garante que os fogos florestais não vão afetar o crescimento económico em Portugal, assinalando que o país quer crescer mais do que está as previsões do Governo. Em entrevista à Bloomberg esta segunda-feira, Manuel Caldeira Cabral afirma que a economia está a expandir-se a 3% e que este crescimento é “sustentável”. “O que não queremos é fazer previsões muito altas e falhar”, disse Caldeira Cabral.

“Os fogos florestais não terão impacto no crescimento [económico]”, assegura Caldeira Cabral. Ainda assim, o ministro da Economia admite que o impacto social “foi grande”, mas o impacto em termos económicos dos danos foi de apenas “0,01% do PIB”, disse. Dado que as empresas terão seguros ou a ajuda do Estado, o Governo espera que não haja impacto das tragédias na economia.

Por outro lado, a beneficiar a economia, estão alguns elementos revelados pelo ministro da Economia: “algumas empresas” do Reino Unido transferiram parte das suas operações para Portugal por causa da saída dos britânicos da União Europeia. Logo após o Brexit, o Governo português decidiu criar um task force com este intuito. No final de outubro, o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, disse, em Lisboa, que se isso acontecer é bom para os dois países.

Além disso, Caldeira Cabral revelou que “três empresas da Catalunha abordaram o Ministério da Economia para mudar parte das suas atividades de Barcelona para Lisboa” devido à turbulência política atual na região. O ministro da Economia aproveitou para referir que a atração de investimento estrangeiro em Portugal está a acontecer “não só em imobiliário, mas também na área dos serviços de tecnologia, turismo e indústria”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caldeira Cabral: Fogos não vão ter impacto no crescimento económico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião